Política


Campina Grande emplacou quatro governadores em 80 anos

Classe política da cidade se articula para ampliar este número nas Eleições de 2018.




Nas últimas oito décadas, Campina Grande emplacou quatro governadores: Argemiro de Figueiredo, Milton Cabral, Ronaldo Cunha Lima e Cássio Cunha Lima. Neste período, também elegeu vices-governadores, a exemplo de Severino Cabral, José Carlos da Silva Júnior, Raimundo Asfora, Rômulo Gouveia e atual Lígia Feliciano. A menos de um ano das eleições para o governo do Estado, as lideranças de Campina Grande chegam nesta quarta-feira (11), aniversário de 153 anos de emancipação da cidade, se articulando de olho no Palácio da Redenção para manter o histórico de representação da cidade.   
 
Nesta legislatura, com base eleitoral em Campina Grande, a cidade é representada pelos senadores Cássio Cunha Lima e Raimundo Lira, além dos deputados federais Veneziano Vital do Rêgo, Pedro Cunha Lima, Rômulo Gouveia, Aguinaldo Ribeiro Damião Feliciano e Wellington Roberto, bem como vários deputados estaduais.
 
Romero Rodrigues
Segundo maior colégio eleitoral do Estado e com influência em todo Compartimento da Borborema, Campina Grande, por meio de suas lideranças, quer voltar a governar a Paraíba. O prefeito Romero Rodrigues (PSDB) tenta estadualizar seu nome a partir das obras de realizações de sua gestão e obter o apoio do seu partido e legendas da oposição para concorrer ao governo em 2018.
 
O discurso do tucano está na ponta da língua. “A minha pré-candidatura está posta, mas não será imposição. O que nós queremos é alguém que seja governador, que possa ter o mesmo olhar da capital para o Sertão,  Cariri, Curimataú, Agreste e Brejo. Que possa tratar os paraibanos de forma isonômica”, discursa Romero.
 
Lígia Feliciano
Quem corre por fora é a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT). Numa hipótese de o governador Ricardo Coutinho deixar o cargo para concorrer ao Senado, Lígia assumiria e poderia disputar o Palácio da Redenção como governadora pela reeleição.
 
Todavia, Ricardo já lançou a pré-candidatura do secretário João Azevedo (PSB) ao Palácio da Redenção e disse que cumprirá o mandato até dezembro de 2018. “O PDT só vai discutir sobre as eleições para o governo em 2018. Independente disso, não temos dúvidas de que o povo da Paraíba vai reconhecer o trabalho desse governo do qual tenho orgulho de fazer parte sob a liderança do governador Ricardo Coutinho. Esse projeto vai vencer”, projeta Lígia.