Política


Ruas de Campina Grande aproximam históricos adversários políticos

Governadores João Pessoa e João Suassuna estão próximos no Centro da cidade. 




Divulgação: Josusmar Barbosa
Divulgação: Josusmar Barbosa
Rua João Suassuna, no Centro de Campina Grande.

Se por um lado eles eram adversários ferrenhos e não habitavam no mesmo palanque político, por outro se aproximaram no espaço geográfico das ruas de Campina Grande. Um caso emblemático é percebido no centro comercial da Rainha da Borborema.
 
A rua João Pessoa e a Avenida João Suassuna, por exemplo, nascem na confluência da rua Marquês do Herval e seguem paralelamente até o bairro do Monte Santo como se completassem, pois formam um binários. A João Suassuna também está próxima da rua presidente Epitácio Pessoa, tio de João Pessoa. 
 
A harmonia, no entanto, fica apenas na mobilidade urbana. Na política da Paraíba, a desarmonia foi “mortal”. João Suassuna foi presidente da Paraíba entre 1924 e 1928. Já investido no cargo de deputado federal, ele foi assassinado na capital da República Velha, no Rio de Janeiro, em meio aos acontecimentos que sucederam a Revolução de 1930. O “gatilho” foi a morte do então governador João Pessoa, que o sucedeu no Palácio da Redenção. Os Pessoa pertenciam a um grupo político oposto ao de Suassuna. 
 
Em meio aos conflitos da chamada “Guerra de Princesa”, no dia 26 de julho de 1930, João Pessoa estava na Confeitaria Glória, em Recife, quando foi atingido por dois disparos desferidos pelo advogado paraibano João Duarte Dantas.
 
Por ser João Suassuna casado com uma prima de João Dantas, ter sido eleito deputado federal com o apoio dos Dantas da cidade de Teixeira e do coronel José Pereira, o pai do escritor  Ariano Suassuna ficou na mira dos familiares, amigos e correligionários do falecido João Pessoa.  Ele foi assassinado no dia 9 de outubro de 1930, no Rio de Janeiro, então capital da República.
 
Cabral  e Elpídio
 
Nas décadas de 50 e 60 do século passado, o empresário Severino Cabral e o médico Elpídio Almeida sempre estiveram em palanques diferentes em Campina Grande. Em 1955, eles se enfrentaram nas urnas. Elpídio foi eleito prefeito com 13.481 votos (53,91%), derrotando Cabral, que obteve 11.527 sufrágios (46,09%). 
 
Os dois denominam duas importantes avenidas da Rainha da Borborema, no bairro do Catolé. . As duas começam às margens do Açude Velho e seguem paralelamente até a Avenida Argemiro, que foi governador, senador e deputado da Paraíba. Argemiro era aliado de Elpídio, mas adversário de “Seu Cabral”. 
 
Argemiro Figueiredo
 
Os dois se enfrentaram na chapa para o Governo do Estado, em 1965. Severino Cabral foi candidato a vice-governador na chapa vitoriosa, encabeçada por João Agripino, que obteve 168.712 votos (50,44%). Eles derrotaram a chapa encabeçada por Ruy Carneiro, que tinha como vice Argemiro de Figueiredo. A chapa recebeu 165.785 sufrágios (49,56%)