Política


Base de Temer e oposição definem estratégias para votação de denúncia

Presidente foi denunciado com base nas delações de executivos do grupo J&F.




 A quatro dias da votação pela Câmara da denúncia contra o presidente Michel Temer, o governo e os parlamentares aliados afinarão neste fim de semana as estratégias para barrar o prosseguimento do processo para o Supremo Tribunal Federal. A sessão está marcada para quarta-feira (2).

Neste domingo (30), Temer comandará em Brasília uma reunião com ministros e deputados da base aliada para discutir a votação. O encontro está previsto para o Palácio do Jaburu, assim como têm sido as últimas reuniões para discutir a denúncia.

Com o objetivo de desgastar a imagem de Temer, a estratégia – praticamente definida – da oposição é a seguinte: não registrar a presença em plenário e adiar a votação.

Nos bastidores, deputados contrários a Temer avaliam que o cenário atual é favorável ao presidente, ou seja, que há a possibilidade de a denúncia ser rejeitada pelo plenário. Por isso, está prevista para a próxima terça (1º), véspera da votação, uma reunião na Câmara dos líderes de partidos e deputados da oposição.

Com base nas delações de executivos do grupo J&F, que controla a JBS, Temer foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal pela Procuradoria Geral da República, por corrupção passiva.