Política

'Incêndio em carro de vereador em Sousa é criminoso', diz deputado

Renato Gadelha (PSC) disse que pedirá investigação à segurança do Estado. 




Ângelo Medeiros
Ângelo Medeiros
Deputado Renato Gadelha passava pela rua no momento do incêndio e disse que vai pedir uma investigação mais intensa

O deputado estadual Renato Gadelha (PSC), disse nesta segunda-feira (10), que vai cobrar uma investigação mais intensa as autoridades de segurança do Estado, com relação ao caso de incêndio envolvendo o carro do vereador Cacá Gadelha (PSDB), ocorrido durante a noite da última sexta-feira (7), na cidade de Sousa, na região do Alto Sertão. O deputado disse ainda, que classifica o ato como criminoso. 
 
O veículo do vereador estava estacionado na frente de sua residência, no bairro Gato Preto, quando começou a pegar fogo. Segundo o parlamentar, a princípio a suspeita seria que o veículo teria sofrido uma pane elétrica, mas, ao sair da residência e verificar a situação percebeu que o fogo estava além das condições normais. Câmeras de segurança instaladas na rua filmaram o momento do incêndio e dois suspeitos foram vistos próximo ao veículo, minutos antes de começar o incêndio.
 
 
O deputado Renato Gadelha disse que passava pela rua no momento do incêndio e se surpreendeu com a situação. “Este é um fato inusitado na cidade de Sousa. Presenciei pessoalmente a situação, porque estava passando no local no momento e achei absurdo. A cidade está assustada e isso precisa ser esclarecido, por essa razão pedirei intensidade nas investigações para que tudo seja esclarecido. O ato em si é algo criminoso, precisamos descobrir porque aconteceu”, ressaltou. 
 
A redação do Jornal da Paraíba entrou em contato com o vereador Cacá Gadelha, que disse desconhecer as razões do ataque ao seu veículo. “É algo muito estranho, pois não tenho inimigos. Estou no terceiro mandato de vereador e toda população me conhece, espero que o caso seja esclarecido”, disse.
 
O caso do incêndio foi registrado na Polícia Militar da cidade pelo próprio vereador. Até o fechamento desta matéria, nenhuma informação de possíveis suspeitos havia sido confirmada. O caso será investigado pela Polícia Civil.