Política

Oposição apresenta provas que comprovariam esquema na obra da Lagoa

Secretário Cássio Andrade e parentes teriam colaborado para desvio de recursos. 




“A obra da Lagoa foi concebida para ser um dreno para desviar recursos públicos”, acusou o líder da bancada da oposição, Bruno Farias (PPS), ao convocar a imprensa na manhã desta quarta-feira (28) para apresentar documentos que comprovariam o tráfico de influência do secretário de infraestrutura de João Pessoa, Cássio Andrade, e parentes, para desviar recursos da obra do Novo Parque da Lagoa.

Segundo a oposição ao prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), há provas inquestionáveis da influência direta da esposa do secretário, a engenheira Luciana Torres Maroja Santos, no período em que era coordenadora da central de convênio da Caixa Econômica Federal, e do concunhado, Marcos Rodrigues dos Santos Junior, ex-funcionário da Compecc, empresa que executou a obra. 

Dentre os documentos estão extratos obtidos no portal do Sistema de Convênios (Siconv), em que Luciana Torres subscreve a liberação de recursos até novembro de 2016, dois meses após o início da auditoria da Controladoria Geral da União (CGU) que identificou desvio de cerca de R$ 6 milhões. “Informações que recebemos é que foi um burburinho na Seinfra no início das investigações e, por isso, ela foi afastada da função, a pedido do superintendente da Caixa”, disse Bruno Farias. 

Concunhado

A oposição também apresentou documentos que comprovariam a participação direta de Marcos Rodrigues nas medições feitas pela Compecc para liberação dos recursos federais. Anteriormente, Cássio Andrade havia dito que o concunhado, antes de assumir cargo na Seinfra, havia trabalhado na Compecc apenas em funções burocráticas. “Mas as fotografias dele apresentando a obra para o prefeito, nas mais de vinte vezes em que ele foi inspecionar a obra, demonstram exatamente o contrário”, questionou o líder da oposição.

A documentação, conforme revelou o líder da bancada da oposição, Bruno Farias (PPS), já foi encaminhada à Polícia Federal, que instarou inquérito para apurar os indícios de irregularidades apontados pelos oposicionistas. "Queremos também que seja instaurado um procedimento disciplinar contra a servidora Luciana", disse. 

Cartaxo 

Ao saber da coletiva, o prefeito Luciano Cartaxo disse que a marca da prefeitura é a transparência e saiu em defesa do auxiliar da sua gestão. “A oposição errou uma vez quando apostou que a gente não conseguiria entregar o Parque da Lagoa e o resultado está aí. Agora tenta pautar um debate em que a própria prefeitura é parte interessada, que está facilitando este diálogo com os órgãos fiscalizadores”, concluiu. 

 

Provas contra Luciana.