Política

Ricardo veta quase 60% das matérias dos deputados da oposição

'Caneta' do Executivo também atingiu matéria do próprio governo este ano. 




Mesmo com projetos de lei aprovados em plenário, após passar pelas comissões necessárias, inclusive de Comissão e Justiça, os deputados da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) tem esbarrado na caneta do chefe do Executivo. Somente no primeiro semestre desde ano, o governador Ricardo Coutinho (PSB) vetou 32 projetos de lei ordinárias, sendo a maioria, um total de 59,37%  (19), de autoria dos deputados da bancada de oposição. Em 2016 foram vetados 59 projetos de lei ordinária.

Líder da bancada oposicionista, o deputado Tovar Cunha Lima (PSDB) também é o líder de projetos vetados pelo governador Ricardo Coutinho. Ao todo foram cinco matérias vetadas e apenas duas delas revertidas. O tucano conseguiu derrubar o veto a um projeto queproíbe a cobrança de taxa de repetência, taxa de disciplina eletiva e taxa de prova por parte das instituições particulares de ensino superior na Paraíba e a outro, nesta quarta-feira (21), que torna obrigatória a presença de equipe médica socorrista com UTI em corridas de rua. A primeira matéria foi promulgada pelo presidente da Casa, Gervásio Maia (PSB), em maio deste ano.

A tucana Camila Toscano (PSDB) ocupa a vice-liderança em número de matérias vetadas, no total de quatro, seguida pela oposicionista Daniella Ribeiro (2), Renato Gadelha (2), Janduhy Carneiro (1), Bruno Cunha Lima (PSDB), Jutay Menezes (1), Raniery Paulino (1), Guilherme Almeida (1) e João Henrique (1). 

Nem mesmo os deputados da bancada de apoio ao governador escapou do crivo da assessoria do Poder executivo, que vetou por vício 11 projetos de aliados. No topo da lista está Nabor Wanderley, que teve quatro projetos de lei barrados. Também viu matérias aprovadas na Assembleia e vetadas pelo governador os deputados Adriano Galdino (2), Antonio Mineral, Caio Roberto, Arthur Filho e os já afastado de suas funções Zé Paulo e Emano Santos. 

Auto-veto

Além dos deputados, um projeto de lei da Defensoria Pública, que dispunha sobre a criação do Diário Oficial eletrônico da Defensoria Pública, e outro do próprio governo do estado também foram vetados por Ricardo Coutinho. Neste caso, o veto parcial ao projeto de lei  nº 1.049/2016 foi mantido, com o parecer favorável do deputado Hervázio Bezerra (PSB), que é líder do base governista.