Política

Força-tarefa da Lava Jato vai pedir aumento da pena de Sérgio Cabral

Procuradores também vão recorrer da absolvição da esposa do ex-governador.  




A força-tarefa da Operação Lava Jato anunciou nesta terça-feira (13) que vai recorrer da sentença publicada pelo juiz federal Sérgio Moro no processo que envolve o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Segundo nota divulgada pelo Ministério Público Federal (MPF) no Paraná, a procuradoria pedirá "aumento significativo" das penas aplicadas aos condenados no processo.

O ex-governador foi sentenciado a 14 anos e 2 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Pelos mesmos crimes, também foram condenados o então secretário do governo Cabral, Wilson Carlos Carvalho, e Carlos Miranda, sócio de Cabral. O primeiro foi sentenciado a 10 anos e 8 meses e o segundo, a 12 anos de prisão.

Os procuradores também afirmaram que vão recorrer da absolvição da esposa do ex-governador, Adriana Ancelmo, e de Mônica Carvalho, esposa de Wilson Carlos. Segundo o MPF, "as provas produzidas demonstram que Adriana e Mônica participaram dos crimes cometidos de forma consciente".

A força-tarefa da Lava Jato apresentará o recurso ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).