Política

Ricardo se coloca contra a construção de presídio federal em Bayeux

Para ele, presídio pode gerar problema de segurança, com instalação de criminosos de outros estados na PB.




O governador Ricardo Coutinho (PSB) revelou nesta sexta-feira (9) seu posicionamento contrário à construção de um presídio federal em Bayeux, na região metropolitana de João Pessoa. Para o socialista, é muito perigoso instalar uma unidade prisional, destinada a abrigar presos de alta periculosidade, advindo de outros estados para a Paraíba. “Sabemos que muitos de seus comparsas deverão vir morar nos arredores, quem sabe para tramar planos de fuga”, conjecturou Coutinho, em entrevista à Rádio POP.

Para Ricardo Coutinho, a área destinada ao presídio e os recursos federais seriam melhores utilizados para fomentar a instalação de uma fábrica ou indústria. “Algo que trouxesse emprego e renda para as pessoas e não que aumente a violência”, completou.

As declarações do governador do estado chegam em meio a intensos debates entre a Câmara de Vereadores de Bayeux e o prefeito Berg Lima (Podemos), que defende a instalação do presídio federal na cidade. O site da prefeitura abriu enquete, ainda ativa para votação, sobre a instalação do presídio. Até esta sexta-feira, 75% dos votantes era favoráveis à unidade prisional, 24% contra e 1% indiferente. 

A discussão foi estadualizada com a iniciativa do deputado João Gonçalves (PDT) que está propondo uma audiência pública, marcada para o próximo dia13 de junho, para debater o tema na Assembleia Legislativa da Paraíba. “Queremos ouvir a população e autoridades do estado e do município, neste momento de sentimento de insegurança, após o anúncio da construção e instalação do presídio federal no município de Bayeux”, adianta o parlamentar na justificativa do pedido.

De Brasília, o deputado André Amaral (PMDB) também tem se empenhado em barrar a instalação do presídio federal em Bayeux. O peemedebista, inclusive, usou suas redes sociais para criticar a postura do prefeito Berg Lima e anunciar que vai tentar uma audiência com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, para dizer que “o povo de Bayeux não quer esse presídio, e que a Grande João Pessoa não merece esse presídio”. 

Sobre o presídio

O Presídio Federal deve ser construído na área de 240 hectares próxima à antiga Manzuá, na saída de Bayeux em direção a Natal, no Rio Grande do Norte. A penitenciária vai ter capacidade para 208 internos, entre presos condenados e provisórios, em quatro pavilhões. Após a fase licitatória para a obra, de dois meses, a construção do prédio deve durar mais dois anos.