Política


Instalação da ALPB no Paraíba Palace vai gerar economia de R$ 600 mil

Prédio histórico passará a abrigar Centro Administrativo do Legislativo.




Ângelo Medeiros
Ângelo Medeiros
Presidente da Assembleia disse que ocupação do Paraíba Palace é um marco histórico

A implantação do Centro Administrativo da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) no Paraíba Palace Hotel vai gerar uma economia de cerca de R$ 600 mil por ano aos cofres do poder. O presidente da Casa, Gervásio Maia (PSB), assinou nesta terça-feira (30) o contrato oficializando a mudança para o histórico prédio localizado no Ponto de Cem Réis. Os setores da ALPB devem começar a funcionar no local já no começo do segundo semestre.

“Foi algo que nós pensamos muito, amadurecemos, para chegar a esse dia de hoje. Todos ganham, servidores da Casa, comércio local e a história da Paraíba. Estamos preservando uma [parte] da história muito importante”, afirmou o presidente Gervásio Maia.

O Centro Administrativo vai concentrar diversar áreas da Assembleia que hoje em dia funcionam descentralizadas em diferentes prédios alugados. Gervásio disse que com aluguel não vai haver ecomomia, mas a mudança permitirá a redução de despesas em limpeza, segurança e manutenção, por exemplo. Algo em torno de R$ 50 mil por mês.

“Vamos concentrar grande parte dessas atividades aqui, dando mais dinamismo, mais conforto aos servidores. Esse prédio belíssimo não poderia ficar desocupado, abandonado. O objetivo é de permitir que a ALPB preste o melhor serviço possível”, disse.

O prédio vai passar por pequenos ajustes, que incluem a climatização total e a mudança no tamanho das salas. Essa reforma está sendo feita pelo proprietário do imóvel e não vai gerar nenhum custo para a Assembleia Legislativa. Os ajustes devem ser finalizados em no máximo 40 dias, e após o recesso parlamentar do meio do ano, a ALPB já deve funcionar no prédio. “Já informei ao proprietário que a Assembleia tem interesse em comprar o Paraíba Palace”, pontuou Gervásio.

História do Paraíba Palace

O local originalmente chamado de “Parahyba Hotel”, foi idealizado pelo ex-governador da Paraíba, João Pessoa, e passou por várias inaugurações, sendo a primeira em 1933, sob responsabilidade do ex-interventor federal do Estado, Gratuliano Brito, no local onde funcionava a antiga sede do jornal “Correio da Manhã”, dirigido pelo também ex-governador paraibano, Rui Carneiro.

Apresentando o que tinha de mais moderno na época, desde elevador e barbearia a restaurante com cardápio internacional, o hotel era frequentado pela elite paraibana, hospedando políticos, atletas e artistas do país entre as décadas de 1930 e 1960. Durante a Segunda Guerra Mundial, o hotel recebeu os militares ligados às bases de Natal e Recife, além de integrantes de programas promocionais do ex-presidente Getúlio Vargas.

Dentre as personalidades de renome nacional e internacional que se hospedaram no Parahyba Palace Hotel, estão Pelé; o ex-governador de São Paulo, Adhemar de Barros; os cantores Cauby Peixoto, Vicente Celestino, Elizeth Cardoso e Bidu Sayão; a Orquestra Tabajara e os maestros Severino Araújo e Tommy Dorsey.

Porém, mesmo com toda importância histórica, a grande valorização pelo litoral paraibano ofuscou a relevância geográfica da região central da capital. Abandonado pela baixa procura, o imóvel chegou a ficar em situação estrutural crítica, fazendo com que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico da Paraíba (Iphaep) quase decretasse a completa interdição do monumento.