Política


Vereadora diz que nordestinos sabem se unir para roubar

Fala de Eleonora Broilo (PMDB) aconteceu na Câmara Municipal de Farroupilha.




Uma vereadora gaúcha deu uma declaração que vem causando polêmica nas redes sociais. Durante uma sessão pública na Câmara Municipal de Vereadores de Farroupilha na última segunda-feira (22), ela afirmou que "os nordestinos sabem muito bem se unir para roubar".

"[Eles] sabem ganhar propina. Eu acho que eles sabem se unir para aumentar a corrupção. Isso eu acho que eles são donos. Isso eu concordo plenamente. Talvez até eles não saibam nem falar muito bem, mas sabem roubar que é uma maravilha", disse Eleonora Broilo (PMDB).

O vereador Tiago Ilha (PRB) rechaçou a fala de Eleonara, após ter a permissão do presidente da Câmara de Vereadores, Fabiano Piccoli (PT). "Imagino que a vereadora Leonora deva ter se enganado nas palavras. Não admito que a senhora use um comentário tão infeliz e preconceituoso como a senhora usou, dizendo que nordestino só sabe é roubar. O povo nordestino merece ser respeitado, assim como o povo gaúcho, o povo brasileiro", disse.

Uma Comissão de Ética foi instaurada na Câmara para averiguar a questão e debater possíveis punições. Vereadores do PSB, PRB, Rede e PDT entregaram, na tarde desta terça (23), um requerimento ao presidente Fabiano Piccoli para que sejam tomadas providências quanto às falas da vereadora. O prefeito da cidade, Claiton Gonçalves (PDT), divulgou uma nota de repúdio sobre as declarações.

Resposta

A vereadora Eleonora Broilo disse que sua fala na Câmara Municipal foi tirada de contexto. "Na ocasião, em momento anterior à minha manifestação, um colega da bancada da situação teceu críticas aos políticos gaúchos. Nesse sentido, manifestei-me com referência exclusivamente aos políticos nordestinos - e não ao povo nordestino -, ocasião em que efetivamente fiz considerações desabonatórias ao seu modo - dos políticos nordestinos, reitera-se - de fazer política."

Eleonora comentou, ainda, que em nenhum momento falou dos nordestino e que pode tomar medidas judiciais. "[Peço desculpas] a quem, porventura, ao assistir ao vídeo, de pequena parte da sessão, retirado do seu contexto, tenha se sentido atingido por minhas palavras", finalizou.