Política


Deputado coleta assinaturas para CPI e pede convocação de Livânia

Líder da oposição diz que objetivo é saber quem são e o que fazem os codificados.  




Roberto Guedes/ALPB
Roberto Guedes/ALPB

O deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB), líder da bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), anunciou na sessão desta terça-feira (23), que está coletando assinaturas de parlamentares para solicitar a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar quem são e o que fazem os 8.587 servidores codificados da Secretaria de Estado da Saúde.

Na oportunidade, o deputado tucano ainda apresentou requerimento endereçado à Mesa Diretora da ALPB, em que solicita a convocação imediata da secretária de Estado da Administração, Livânia Farias, para prestar esclarecimentos sobre este tipo de regime de contratação pelo Governo da Paraíba.

Segundo Tovar, o Tribunal de Contas do Estado atestou que foram pagos cerca R$ 120 milhões aos codificados no exercício de 2013, e que esse valor aumentou para R$ 153 milhões, em 2014. “Como se não bastasse tudo isso, o Banco do Brasil emitiu nota dizendo que em novembro de 2015 não pagou apenas o montante de R$ 24 milhões aos codificados, conforme foi divulgado pela imprensa, todos estão errados, foram pagos R$ 29.458.949,00 aos codificados da Paraíba”, explicou.

Tovar afirmou que já conseguiu coletar 10 assinaturas de deputados estaduais para a CPI dos Codificados. Ele adiantou que os deputados Ricardo Marcelo (PMDB) e João Henrique (DEM) deverão assinar o pedido de instalação nos próximos dias.

O líder oposicionista ainda condenou a divulgação de nota por parte da Secretaria de Estado da Saúde, afirmando que a relação de servidores codificados veiculada pela imprensa não corresponde aos dados oficiais, e que o órgão irá tomar as medidas judiciais cabíveis quanto aos veículos de comunicação que fizeram a divulgação de “má-fé.

“Os codificados deste Estado não tem direito a absolutamente nada e só sabem o que estão recebendo na boca do caixa, ou seja, a precarização do serviço está aqui instalado pelo governador Ricardo Coutinho. Para a nossa surpresa a Secretaria de Saúde emitiu uma nota à imprensa no sentido apenas de intimidar. Aqui neste Estado o que deveria ser transparente, são escondidas. Fizemos o pedido para a Secretaria Livânia Farias venha aqui nesta tribuna e explique quem são, de onde vem e o que fazem os codificados”, concluiu.