Política


"Momento é de paralisia no Congresso Nacional", diz Benjamim

Deputado diz que dificilmente reformas trabalhista e da Previdência serão aprovadas.




O deputado federal Benjamim Maranhão (SD) declarou, na manhã desta segunda-feira (22), que dificilmente as reformas trabalhista e da Previdência Social serão aprovadas no Congresso Nacional. De acordo com ele, a situação do presidente Michel Temer (PMDB), acusado de defender a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), causará uma espécie de paralisia nas ações propostas pelo Governo Federal no Congresso Nacional.

“Acredito que todos têm direito a defesa e ao contraditório, mas a gravidade da denúncia é muito grande. Mas, o governo precisa ter credibilidade, principalmente num momento como esse em que estava vontando reformas extremamente impopulares e que o presidente terá dificuldade em aprová-las porque ficou fragilidade”, disse o deputado, que complementou: “acredito que o momento agora será de paralisia no Congresso, e o mais grave será a paralisia gerada na economia. Vamos aguardar o que ainda vai acontecer”.

Com relação a posição do Solidariedade perante o Governo Temer, Benjamim Maranhão disse que o partido já vinha mantendo uma postura independente no Congresso e que estava prediposto a votar contrário a itens da proposta de reforma da Previdência, a exemplo dos casos envolvendo os trabalhadores rurais e a idade mínima para ter direito ao benefício.

“Iriamos votar contra vários pontos da reforma da Previdência. Mas, vamos aguardar e esperamos que essas investigações sejam celeres. Caso se confirme o teor da denúncia e o presidente seja afastado, vamos (o Solidariedade) apoiar a possibilidade de eleições diretas para presidente”, concluiu.