Política


Após delação, Temer vira alvo de inquérito da Lava Jato no STF

Com decisão, presidente passa formalmente à condição de investigado.




Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
Presidente poderá ser investigado pela PGR porque os supostos crimes imputados a ele foram cometidos durante o mandato

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou abertura de inquérito para investigar o presidente Michel Temer. O pedido de investigação foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Com a decisão, o presidente passa formalmente à condição de investigado na operação.

O pedido de abertura de inquérito foi feito após um dos donos do grupo JBS, Joesley Batista, dizer em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que gravou, em março deste ano, o presidente dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A informação foi divulgada pelo jornal "O Globo". A delação de Joesley e de seu irmão, Wesley Batista, foi homologada por Fachin.

O presidente poderá ser investigado pela PGR porque os supostos crimes imputados a ele foram cometidos durante o mandato.

A Presidência da República divulgou nota na noite de quarta-feira (17) na qual afirma que o presidente Michel Temer "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha", que está preso em Curitiba, na Operação Lava Jato. 

A nota diz que o presidente "não participou e nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar."

De acordo com a Presidência, o encontro com o dono do grupo JBS, Joesley Batista, foi no começo de março, no Palácio do Jaburu. "Não houve no diálogo nada que comprometesse a conduta do presidente da República".

O comunicado diz ainda que Temer "defende ampla e profunda investigação para apurar todas as denúncias veiculadas pela imprensa, com a responsabilização dos eventuais envolvidos em quaisquer ilícitos e que venham a ser comprovados."