Política


Após ameaça a juiz, TJPB reúne Comissão de Segurança em Campina Grande

Desembargador discutiu com juízes e PM  estrutura de segurança nas unidades da PB e no fórum campinense.




Divulgação
Divulgação
Desembargador Carlos Beltrão presidiu reunião de Comissão de Segurança no Fórum Afonso Campos

Após o juiz 1º Tribunal do Júri de Campina Grande, Bartolomeu Correia Lima, ter denunciado que foi ameaçado de morte por dois réus, durante um julgamento, o Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), por meio da Comissão Permanente de Segurança, realizou uma reunião no Fórum Afonso Campos. O objetivo foi discutir a questão da segurança na unidade judiciária.

Foi o segundo encontro realizado neste ano da comissão, na Paraíba, que tem como presidente o desembargador Carlos Martins Beltrão Filho. Dentre os temas discutidos na reunião, a preocupação com a segurança de magistrados, servidores e da população em geral nas dependências do TJPB e dos fóruns, bem como estudo a respeito da localização de caixas eletrônicos na unidade local e o acesso aos fóruns.  

“É muito importante a gente manter esse contato com os membros da Comissão de Segurança, bem como é um propósito que já vinha da Comissão anterior, ou seja, interiorizar e descentralizar, de João Pessoa, ouvindo os colegas”, disse o desembargador Beltrão, na ocasião

O desembargador Carlos Beltrão, também, afirmou que no encontro foram tratos assuntos específicos a estrutura de segurança do Fórum de Campina Grande. Quanto à realização da próxima reunião, o presidente da Comissão informou da participação do desembargador Joás de Brito Pereira Filho, presidente do Tribunal de Justiça, e de outras autoridades, para discutir e aprimorar a questão de proporcionar mais segurança aos juízes, servidores e os jurisdicionados.

O evento ainda contou com a presença do diretor do Fórum de Campina, Alexandre Gonçalves Trineto, além dos demais membros da Comissão, os juízes Carlos Neves da Franca Neto, Eslú Eloy Filho, Maria Aparecida Sarmento Gadelha (presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba), Ana Christina Soares Penazzi, Adriana Lins de Oliveira e o tenente-coronel, Josélio César de Oliveira. Também estiveram presentes representantes de uma instituição financeira, os gerentes Fernando Ribeiro e Edna Medeiros.

Ameaçado

No final de abril, o juiz Bartolomeu Correia Lima revelou que foi ameaçado de morte por dois réus. Segundo o magistrado, que também denunciou a falta de segurança no Fórum Afonso Campos, o fato aconteceu no julgamento de Wallison de Sousa Pereira e Edmilson dos Santos Silva. Eles foram condenados a 21 anos de prisão por homicídio.

“Durante a leitura da sentença, um dos réus passou a olhar os jurados com o olhar intimidador e já iniciando a fala contra a minha pessoa, no momento em que encerrei a leitura. Depois, dei por encerrada a sessão. Determinei que fossem levados salas e eles passaram a me agredir verbalmente, fazendo ameaça de morte e a minha família”, frisou Bartolomeu em entrevista à TV Paraíba.
O magistrado disse que vai determinar à Polícia Civil que abra inquérito para apurar as ameaças e tentativa de coação. Bartolomeu policiais militares e serventuários deverão ser arrolados como testemunhas. A reportagem procurou, mas não encontrou os advogados dos réus para comentar sobre a denúncia do juiz.

Insegurança

Bartolomeu também acrescentou que, durante os julgamentos no Fórum Afonso Campos, o policiamento é insuficiente para fazer a escolta dos juízes, promotores, jurados e da própria população. Ele ainda apontou deficiências na estrutura do prédio, que é cercado por grades baixas de ferro.

Citou também que, no Tribunal do Júri do Fórum Afonso Campos, não há circuito de segurança nem detectores de metais. O único de existe fica na entrada principal do Fórum, mas não está funcionando.