Política


Afrontando PMDB, Veneziano fica contra reforma trabalhista

Ao todo, 7 deputados da PB seguiram orientação do líder, Aguinaldo Ribeiro. 




O governo federal conseguiu reverter o placar e aprovar o regime de urgência para a votação da reforma trabalhista, na noite desta quarta-feira (20). Apesar da mobilização do líder da base governista na Câmara, o paraibano Aguinaldo Ribeiro (PP), pelo menos cinco dos 12 parlamentares da Paraíba votaram contra a urgência, dentre eles o deputado Veneziano Vital do Rêgo, que é do mesmo partido do presidente Michel Temer (PMDB).

Em sua página no Facebook, Veneziano justificou seu posicionamento contrário à orientação do partido. "Não sou de mudar de opinião, votei e votarei sempre pelos direitos dos trabalhadores", disse. 

Para aprovação da urgência eram necessários 257 votos. O governo conseguiu o apoio de 287 parlamentares, uma folga de 30 votos, e viu a oposição reunir 144 votos contrários. Da bancada paraibana, além do peemedebista, votaram contra a urgência os deputados Damião Feliciano (PDT), Wellington Roberto (PR), Luiz Couto (PT) e Benjamin Maranhão (SD). 

Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) conseguiu vencer os oposicionistas com o argumento da necessidade de deliberar logo a matéria. “Quem quiser que ganhe o debate no argumento. Nós hoje estamos cumprindo de forma democrática aquilo que prevê o regimento dessa casa, respeitando a todos e votando uma matéria que é importante sim para o país”, disse. 

O relatório apresentado na comissão mantém a prevalência dos acordos coletivos em relação à lei, conforme previsto no texto original, e acrescenta outras modificações, como regras para o teletrabalho e o trabalho intermitente. O texto poderá ser votado diretamente no plenário já na próxima semana ou no início de maio.