Política

Garotinho é preso pela Polícia Federal em seu apartamento no Rio de Janeiro

Prisão seria resultado de operação que investiga compra de votos.



Inácio Teixeira
Inácio Teixeira
Advogado havia impetrado um habeas corpus com pedido de liminar que impedia prisão do ex-governador

O secretário de Governo de Campos dos Goytacazes e ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, acaba de ser preso pela Polícia Federal. A prisão aconteceu no apartamento em que o político mora, no Flamengo, no Rio de Janeiro, na Rua Senador Vergueiro.

O advogado criminalista Fernando Fernandes havia impetrado, no último dia 12, um habeas corpus com pedido de liminar para garantir que o Juízo da 100ª Zona Eleitoral não decretasse qualquer prisão provisória contra Garotinho.

Segundo informações do Jornal Extra, a prisão seria resultado das investigações da Operação Chequinho, que investiga a compra de votos durante a eleição do dia 2 de outubro.

Em outubro, a Polícia Federal já havia prendido dois vereadores em Campos dos Goytacazes, região do Norte Fluminense, ambos suspeitos de fraudar um programa assistencial em troca de votos. A Operação Chequinho teve o objetivo de combater crimes eleitorais no município.

Ozéias Azeredo Martins e Miguel Ribeiro Machado, conhecido como Miguelito, ambos reeleitos na última eleição, são suspeitos de praticar corrupção ativa e passiva eleitoral e formação de quadrilha para cometer corrupção eleitoral, boca de urna e de fornecimento de alimentação ilegal, além de outros crimes.

No total, foram cumpridos oito mandados de prisão temporária, oito mandados de busca e apreensão e uma ordem de condução coercitiva. O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Glaucenir Silva de Oliveira.

No dia 26 de outubro, a Polícia Federal prendeu o vereador Kellenson Ayres Figueiredo de Souza (PR), de 55 anos, em uma nova fase da Operação Chequinho, e cumpriu outros sete mandados de prisão neste mesmo dia.