Política

Tárcio classifica desmembramento como "tiro no pé" e deixa governo

Secretário pediu exoneração após Ricardo separar Planejamento e Finanças. 



O desmembramento da Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento, Gestão e Finanças, em Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão (SEPLAG) e Secretaria de Estado das Finanças (SEFIN), promovido pelo governador Ricardo Coutinho nesta sexta-feira (11), desagradou o secretário Tárcio Handel Pessoa que pediu exoneração do cargo. Para Pessoa, a decisão do governo foi “um tiro no pé”. “E por achar isso pedi minha exoneração para continuar mantendo minha coerência”, afirmou.

Conforme a nova reforma administrativa, promovida por Ricardo Coutinho, Tárcio Pessoa, que era titular da pasta fundida desde dezembro de 2014, passaria a responder apenas pela Seplag, enquanto a atual secretária executiva do Empreender, Amanda Araújo Rodrigues, passa a responder cumulativamente pela Secretaria de Finanças. 

Tárcio Pessoa disse que foi comunicado na noite da quinta-feira (10) pelo governador do estado sobre as mudanças que seriam publicadas no Diário Oficial de hoje e questionou a decisão. “Comuniquei ontem quando ele me avisou que havia fechado questão sobre esse novo modelo. Respeitei a decisão, mas não concordo e por respeitar e não concordar, que não posso assumir, em situações como esta é melhor oxigenar com outros quadros”, enfatizou. 

Apesar da decisão, o ex-secretário afirmou, ainda, que o governador deixou à vontade para mexer nas peças. “Acho que cumpri minha missão. Dei minha contribuição da melhor forma possível. Afinal, saímos vivos da tempestade, agora a tendência é melhorar”, concluiu. 

Ao anunciar o desmembramento, o governador Ricardo Coutinho argumentou que “a situação de dificuldade econômica do país acabou por maximizar as demandas relacionadas com as atribuições inerentes às finanças dentro da Seplag, engessando-a e reduzindo o seu potencial que deveria estar voltado para desenvolver instrumentos fortalecedores da boa governança na gestão pública”, disse.

Segundo o governo, a medida tem como finalidade aprimorar ainda mais a qualidade da gestão estadual e o uso dos recursos públicos. Com o desmembramento, a Seplag continuará responsável pela condução do planejamento e execução das leis orçamentárias, promovendo a racionalização dos custos e implantando um novo sistema de governança; enquanto a Sefin passará a cuidar prioritariamente das finanças do Estado.