Política

Cunha desocupa residência funcional em Brasília com um mês de atraso

Não há informações sobre o próximo parlamentar a ocupar o imóvel.  



Antonio Cruz/ Agência Brasil
Antonio Cruz/ Agência Brasil
Eduardo Cunha foi notificado para que deixasse o apartamento em setembro, quando perdeu o mandato

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) mandou desocupar nesta sexta-feira (4) o apartamento funcional que morava na 316 sul, em Brasília.

Preso pela Operação Lava Jato no dia 19 de outubro, Eduardo Cunha foi notificado para que deixasse o apartamento em setembro, quando perdeu o mandato de parlamentar. Com prazo até o dia 13 de outubro, o ex-deputado desocupou a residência funcional da Câmara com quase um mês de atraso. Apesar de o regimento da Câmara prever multa em caso de atraso na entrega do imóvel, a 4ª Secretaria da Câmara dos Deputados não confirmou se Cunha terá de pagar algum valor. O cálculo da multa leva em consideração o dia de entrega das chaves - o que ainda não ocorreu - e é feito com base no auxílio-moradia (R$ 4.253) e de forma proporcional aos dias em que a ocupação esteve irregular.

Após a desocupação do apartamento, a Câmara dos Deputados deverá fazer uma vistoria no patrimônio e conferir os móveis do local, além de uma revisão de manutenção das redes elétrica e hidráulica.

A Câmara dos Deputados ainda não tem informações sobre o próximo parlamentar a ocupar o imóvel.