Política

Benjamin diz que PEC 241 vai evitar medidas como confisco de Collor

Para coordenador da bancada, proposta tenta evitar rupturas desnecessárias.   



 Após críticas sofridas nas redes sociais, o coordenador da bancada da Paraíba na Câmara dos Deputados, Benjamin Maranhão (SD), saiu nesta quinta-feira (28) em defesa dos 11 dos 12 parlamentares paraibanos que votaram favorável a PEC 241, que limita os gastos do governo nos próximos 20 anos. Para Maranhão, a medida é necessária para que não sejam tomadas medidas duras, como as realizadas no governo Collor, quando houve confisco das poupanças dos brasileiros.

“As medidas que foram tomadas no passado eram feitas de forma de ruptura. A PEC 241 é feita para longo prazo e não existe medida mágica”, pontuou o líder da bancada da Paraíba, que afirmou haver muita mentira no discurso da oposição, incluindo o deputado Luiz Couto (PT), único parlamentar da Paraíba a votar contra a proposta. 

Na opinião de Benjamin Maranhão, há um jogo de desinformação do antigo governo do PT. “O partido perdeu a chance de fazer o ajuste necessários no momento de crescimento em que o país vivia e o resultado disso foi a irresponsabilidade fiscal, um rombo em 2015 de 115 bilhões de dólares nas contas públicas e uma previsão já de U$160 bilhões para este ano”, afirmou. 

A PEC 241, segundo Maranhão, quer fazer um ajuste de forma paulatina, para que não haja uma ruptura de programas que estavam em andamento. “Inclusive há uma desinformação sobre os gastos com saúde e educação. Um dos gastos fundamentais, o Fundeb, não é atingido. Não vai acabar o Fies, porque ele não entre na base como calculo primário, porque é empréstimo”, comentou.

Lado oposto

Único parlamentar contrário à PEC 241, o petista Luiz Couto tem opinião diversa e taxa a proposta como “PEC da morte” ou “PEC do Fim Do Mundo”. “E foi vergonha que o povo brasileiro sentiu de muitos representantes políticos. Vergonha que ganha força a cada dia, que faz os brasileiros e as brasileiras desacreditarem em seus representantes eleitos”, afirmou.

Nesta quarta-feira (25) ele fez pronunciamento em defesa da  ocupação de escolas em todo o Brasil. "A luta dos estudantes contra o PL 257, contra a PEC 241, contra o projeto escola sem partido e contra os retrocessos na educação protagonizando a maior greve da educação pública no Brasil tem despertado o Brasil para o que ainda virá sobre a vida de cada cidadão", disse Couto.