Política

Justiça Federal nega pedido de liberdade para Antonio Palocci

Segundo o magistrado, há “prova de materialidade” que justifique a prisão cautelar.   



Arquivo/ Agência Brasil
Arquivo/ Agência Brasil
Palocci está preso desde o dia 26 de setembro na carceragem da PF em Curitiba

A Justiça Federal negou pedido de liberdade ao ex-ministro Antônio Palocci, indiciado nesta segunda-feira (24) pela Polícia Federal (PF), na Operação Lava Jato. A decisão foi proferida pelo desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal (TRF-4), sediado em Porto Alegre. Palocci está preso desde o dia 26 de setembro na carceragem da PF em Curitiba (PR).

Na decisão, o magistrado considerou que há “prova de materialidade e de indícios de autoria” que justifiquem a prisão cautelar de Palocci. A prisão foi decretada pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba.

Palocci e mais cinco investigados foram indiciados por corrupção passiva. De acordo com a PF, Palocci pediu e recebeu R$ 28 milhões para beneficiar a empreiteira Odebrecht em contratos com o governo federal, por meio de repasses para a empresa de consultoria do ex-ministro.

Segundo os investigadores, os pagamentos ao ex-ministro eram feitos por meio do Setor de Operações Estruturadas da empreiteira, responsável pelo pagamento de propina a políticos. Durante o inquérito, os delegados concluíram, após analisarem planilhas apreendidas, que Palocci era identificado com "italiano".

O advogado de Palocci, José Roberto Batocchio, disse que o indiciamento de seu cliente “trata-se de uma primorosa obra de ficção literária”.