Política

'Quem fala demais dá bom dia a cavalo', diz Renan a ministro

Senador critica discurso de que Polícia Legislativa atrapalhava a Lava Jato.



O presidente do Senado, Renan Calheiros, criticou o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmando que ele "extrapolou" ao se pronunciar sobre os quatro integrantes da Polícia Legislativa presos sob a acusação de tentar impedir os trabalhos da Operação Lava Jato.

"Quem fala demais acaba dando bom dia a cavalo”, afirmou Renan, que mais cedo havia soltado nota a respeito. “Valores absolutos e sagrados do Estado democrático de direito, como a independência dos poderes, as garantias individuais e coletivas, liberdade de expressão e a presunção da inocência precisam ser reiterados”, disse ele.

A Polícia Federal, o Ministério Público e a Justiça Federal estão convencidos de que as varreduras de policiais legislativos nas casas de parlamentares foram feitas para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. Essa convicção vai de encontro à declaração do presidente de Calheiros, que afirmou que as atividades da Polícia Legislativa em varreduras de escutas ambientais “restringem-se à detecção de grampos ilegais, conforme previsto no regulamento interno”.

Operação Métis

A Polícia Federal esteve por cerca de três horas nas dependências da Polícia Legislativa, no subsolo do Senado, na manhã desta sexta-feira (21). Foram retiradas do local 10 malas de documentos e equipamentos eletrônicos para busca de escutas.

A denominada Operação Métis – que na mitologia grega representa a deusa da saúde, proteção, astúcia, prudência e virtudes - cumpriu ao todo nove mandados judiciais, sendo cinco de busca e apreensão e quatro de prisão temporária.