Política

Projeto aprovado determina que secretários tenham curso superior

Aliados de prefeito eleito Aquino Leite apontam vingança do atual gestor.



Divulgação
Divulgação
Maioria dos vereadores aprova exigência de escolaridade para assumir cargos públicos

 Vereadores ligados ao prefeito eleito de Alagoa Nova, no Agreste, Aquino Leite (PSDB), classificaram de “vingança” de derrotados o projeto de lei, aprovado pela Câmara Municipal, determinando que os cargos de secretários, diretores e coordenadores devem ser preenchidos apenas por indicações técnicas na prefeitura e na Câmara Municipal.

A propositura foi aprovada por 6 a 4, no último final de semana, após o atual prefeito Júnior de Walfrido (PSB) ser derrotado por Aquino Leite. De acordo com a projeto, os próximos secretários municipais - que vão tomar posse em 1º de janeiro de 2017 - devem possuir ensino superior completo, enquanto os diretores e coordenadores, no mínimo, o ensino médio completo.

Seis vereadores da bancada do prefeito Júnior de Walfrido votaram a favor do projeto. São eles: Já os parlamentares que aprovaram o projeto foram: Ícaro Teixeira (PMDB), Bruno Escova (PMDB), Mateus Herculano (PSB), Fátima Câmara (PMDB), Biu Ricardo (PMDB) e Abraão Lincoln (PT).

Os parlamentares justificaram que a iniciativa tem o objetivo de tornar o serviço público mais eficiente com profissionais que realmente tenham a capacidade de desenvolver um trabalho de qualidade profissional, melhorando, assim, diretamente e indiretamente a administração pública de Alagoa Nova.

Inconstitucional

Ligados ao prefeito eleito Aquino Júnior votaram contra a propositura os vereadores Ailton Costa (PHS), Ramilton (PTB), Vanusa Gonçalves (PSD) e Margareth (PSDB). Júnior de Walfrido deverá sancionar o projeto. O prefeito eleito também criticou a proposta. "Esse projeto é inconstitucional. Aprovaram para mim atrapalhar", condenou Aquino.