Política

Fabiano Gomes tem mais um recurso negado na Justiça e segue preso no PB1

Radialista é acusado de participar da compra do mandato do prefeito de Cabedelo.




O radialista Fabiano Gomes, que está preso desde o dia 22 de agosto, somou mais uma derrota na Justiça. O ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou um pedido de reconsideração movido pela defesa em um habeas corpus. Com isso, a prisão preventiva de Gomes segue mantida. A decisão foi tomada na segunda-feira (10).

Fabiano Gomes é investigado na Operação Xeque-Mate, que desarticulou um esquema de corrupção na administração pública de Cabedelo. O Ministério Público da Paraíba (MPPB) o acusa de ter intermediado a compra do mandato do prefeito Luceninha, que garantiu a posse de Leto Viana, uma espécie de ponto de partida de todo o esquema. Ele foi preso por descumprimento da medida cautelar de comparecimento mensal em juízo.

A nova decisão de Félix Fischer só vai ser publicada na quarta-feira (12). Ela é o terceiro revés que Fabiano sofre desde que foi preso. No dia 3 de setembro, o mesmo ministro do STJ negou uma liminar no habeas corpus impetrado pelos advogados. Um dia depois, o relator da Operação Xeque-Mate no Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), desembargador João Benedito da Silva, rejeitou um pedido de reconsideração da prisão preventiva.

Fabiano Gomes está preso na Penitenciária Romeu Gonçalves de Abrantes, o PB1, em João Pessoa, a mesma que foi atacada na madrugada de segunda-feira (10). Noventa e dois detentos fugiram durante a ação criminosa.

O JORNAL DA PARAÍBA tentou falar com a defesa de Fabiano Gomes, mas não obteve retorno.

Xeque-Mate

O radialista teve a prisão preventiva decretada por descumprir uma das medidas cautelares impostas na decisão decorrente da deflagração da 2ª fase da Operação Xeque-mate, no dia 13 de julho de 2018. A medida descumprida foi a de comparecimento periódico em Juízo, entre os dias 1º e 10 de cada mês, para informar e justificar suas atividades. Fabiano Gomes está detido no Complexo Prisional de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, o PB1.

A Operação Xeque-mate foi deflagrada no dia 3 de abril de 2018 pelo Departamento de Polícia Federal em conjunto com o Ministério Público do Estado da Paraíba, por meio do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco). A investigação concluiu pela existência de uma organização criminosa na qual agentes políticos e servidores públicos do município de Cabedelo estariam envolvidos.O esquema funcionava na prefeitura e na Câmara Municipal da cidade.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.