Política

Dia do Fico: Ricardo, Cartaxo e Romero seguem gestos de Ronaldo e Burity

Atual governador e prefeitos ficam nos cargos para tentar eleger aliados.




“Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, digam ao povo que fico.” Na história oficial do Brasil, nessas palavras de Dom Pedro I, ficou registrado o “Dia do Fico”, em dia 9 de janeiro de 1822, em que desobedecendo as ordens da Corte Portuguesa, que exigia o seu retorno a Portugal, decidiu permanecer no Brasil. A situação política iniciou-se quando Portugal planejara transformar o Brasil, então Vice-Reinado, novamente numa colônia. Foi um passo importante para Dom Pedro depois declarar a independência do país.

Com a redemocratização do Brasil e a reintrodução das eleições diretas, o prazo de desincompatibilização de cargos do Poder Executivo obrigou governantes e auxiliares a se afastarem, seis meses das eleições, para concorrerem a cargos eletivos. Todavia, se alguns gestores deixam os cargos, outros permanecem para concluírem os mandatos. Estes protagonizam o Dia do Fico. Em 2018, o dia fatal foi 7 de abril, uma vez que o pleito vai ocorrer em 7 de outubro.

Na Paraíba, três gestores cotados, a priori, para disputar cargos majoritários nas eleições de deste ano proclamaram o Dia Fico, seguindo o gesto, em 1986 , do então prefeito de Campina Grande, Ronaldo Cunha Lima, abrindo mão de disputar o governo para permanecer na chefia do Pode Executivo local. No segundo mandato de governador, Tarcísio Burity ficou até o fim no mandato. Já o então governador José Maranhão renunciou ao mandato, em 2002, para disputar o Senado, sendo eleito.

O fico de Ricardo

No segundo mandato, o governador Ricardo Coutinho (PSB) tinha o nome defendido para concorrer ao Senado Federal, mas preferiu ficar no Palácio da Redenção, frustrando a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT), que tinha a expectativa de assumir o poder disputar, no cargo, o Executivo estadual. O socialista durante entrevista cravou: “A ninguém se daria o direito de achar que a Paraíba teria um novo Governo. As coisas não caem do céu”. No cargo, é o principal cabo eleitoral do ex-secretário João Azevedo (PSB), pré-candidato ao governo.

O fico de Cartaxo

Antes de Ricardo, o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, que trocou o PSD pelo PV, já tinha manifestado seu “Dia do Fico”. Sem o apoio unificado da oposição ao seu nome, Luciano desistiu de concorrer ao governo. Ele frustrou o vice-prefeito Manoel Júnior (PSC), que sonhava em assumir a prefeitura. “Concluir na íntegra o meu mandato até o dia 31 de dezembro de 2020 é uma demonstração de coragem, demonstração de compromisso com o nosso povo, com a nossa cidade”, declarou à imprensa e aliados”, pontuou Luciano. Ele vai apoiar o seu irmão, Lucélio Cartaxo (PV), ao Palácio da Redenção.

O fico de Romero

Já o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), protagonizou o “Dia do Fico”, em 7 de abril. Ele também era cotado para disputar o governo, mas não recebeu das forças da oposição no tempo oportuno para o desencanto do vice-prefeito Enivaldo Ribeiro. “Diante da dinâmica dos fatos recentes nessa reta final do prazo oficial para desincompatibilização do cargo, sem poder dispor de um tempo suficiente para dialogar com a cidade e seus segmentos sobre um passo tão delicado e complexo, comunico minha decisão de permanecer na Prefeitura, continuando a dividir a responsabilidade da gestão com o companheiro leal, solidário, íntegro e comprometido de alma com Campina Grande: o vice-prefeito Enivaldo Ribeiro”, justificou Romero em carta aos campinense. Ele declarou apoio a Lucélio Cartaxo e vai tentar emplacar sua esposa, Micheline Rodrigues, na vice.

O fico de Ronaldo

Após ser vereador e deputado estadual, Ronaldo Cunha Lima foi eleito prefeito de Campina Grande, em 1968. Todavia, ele só ficou 43 dias no cargo, tendo o mandato cassado pelo regime militar. No ano de 1982, ele se candidatou novamente a prefeito da Rainha da Borborema, sendo eleito. Além de vitorioso, ganhou mais dois anos de mandato, por conta de uma emenda que prorrogou mandatos, a fim de assegurar a coincidência no calendário eleitoral que nunca avançou no país. Em 1986, chegam às eleições para governador e o nome de Ronaldo é lançado pelo PMDB campinense e lideranças de outras regiões. O senador Humberto Lucena também estava no páreo.

Para disputar o Palácio da Redenção, Ronaldo tinha que renunciar ao cargo de prefeito. Após muitas articulações e reuniões, ele convocou a população para anunciar sua posição. No Parque do Povo, pediu aos presentes que opinassem. No final do pronunciamento, afirmou: “Eu devo renunciar a meu mandato de Prefeito. Tenho até meia-noite para me decidir. Mas para atender à vontade do meu povo, fico. Ficarei até o fim governando Campina Grande para bem servi-la. Aqui, no momento histórico da mais alta responsabilidade para minha vida política, para o destino de Campina Grande e da Paraíba, eu repito o que foi dito há muito tempo atrás, uma frase que ficou na história deste País: se Campina Grande pede e se é pela vontade deste povo, eu digo a este povo que fico”.

Ronaldo concluiu o mandato. Dois anos depois, foi eleito governador em 1990. Renunciou seis meses antes das eleições para disputar uma cadeira no Senado, sendo eleito. Depois, se elegeu deputado federal duas vezes. Ele morreu em 2012. Com o fico de Ronaldo em 1986, Humberto Lucena iniciou a pré-campanha, mas depois abriu mão da postulação para Tarcísio Burity, que se filiou ao PMDB para disputar o governo.

O sai e fica de Burity

Tarcísio Burity, por meio de eleição indireta, como ocorria à época, chegou a governador da Paraíba, em 1979, pela ARENA. Em 1982, renunciou ao cargo, para disputar uma vaga na Câmara dos Deputados, recebendo a segunda maior votação da história da Paraíba: aproximadamente 173 mil votos, sendo superado apenas por Pedro Cunha Lima nas eleições de 2014. Em novembro de 1986, foi eleito, mais uma vez, governador pelo PMDB (desta vez pelo voto popular) e permaneceu à frente do executivo paraibano até o final do mandato. Ele lançou na época João Agripino Neto para concorrer ao Palácio da Redenção. Depois, concorreu às eleições ao Senado, mas não obteve êxito. Burity faleceu em 2003.

Com Braga não teve fico

Com Wilson Braga, praticamente não teve “Dia do Fico”. Ele foi eleito governador do Estado em 1982, derrotando o saudoso Antonio Mariz. Em 1988, Braga elegeu-se prefeito de João Pessoa. Em 1990, renunciou ao cargo para a disputa ao governo do Estado da Paraíba, dando lugar ao vice-prefeito Carlos Mangueira. Braga foi derrotado no segundo turno por Ronaldo Cunha Lima. Para não ficar sem mandato durante esse período, Braga candidata-se a vereador de João Pessoa em 1992, sendo eleito. Renunciou ao mandato, em 1994, para assumir o cargo de deputado federal, sendo reeleito em 1998. Já em 2002, concorre a senador, mas foi derrotado. Depois, foi eleito deputado estadual, encerrando, em seguida, a carreira política.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.