Política

Corregedoria da PM instaura procedimento contra policial que agrediu manifestante

Aluno da UFCG levou tapa no rosto ao pedir “calma” ao PM durante protesto




Fato ocorreu nesta sexta-feira (14), em Campina Grande, durante protestos contra Reforma da Previdência. Foto: Reprodução

A Corregedoria Geral da Polícia Militar da Paraíba instaurou processo disciplinar para analisar a conduta de um policial militar que agrediu no rosto um estudante da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) que participava das manifestação contra a Reforma da Previdência, em Campina Grande, na manhã desta sexta-feira (14). Segundo informações da assessoria do governo do estado, somente após a sua conclusão, quando houver parecer sobre o caso é que serão sugeridas as possíveis medidas a serem tomadas.

O fato ocorreu na portaria de uma empresa de telemarketing. Funcionários foram impedidos de entrar no início da manhã e houve confusão. No vídeo, o estudante aparece pedindo “calma” ao militar, mas em tom exaltado, e acaba sendo vítima de um tapa no rosto. “Eu estava pedindo calma e ele chegou e me agrediu. Todo mundo viu o que aconteceu”, comentou o estudante Mateus Henriques, que é diretor da UNE em Campina Grande e foi vítima da agressão.

Mais cedo, o comando do 2º Batalhão da Polícia Militar informou que está analisando o caso. Por meio de uma nota, a Polícia Militar justificou que a confusão aconteceu porque um dos manifestantes estava exaltado e teria discutido com o PM que aparece nas imagens.

“O policial que aparece nas imagens em discussão com o manifestante foi chamado para apresentar detalhes do fato. As imagens serão analisadas, bem como outras que chegarem, e o caso será objeto de uma apuração mais detalhada por parte da corporação”, diz a nota. O policial envolvido no caso não teve o nome divulgado.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.