Policial

População de Cabedelo se mobiliza em enterro de presidiário

Faixas em protesto contra a morte de "Gaynão" foram espalhadas pela cidade. Vanildo foi baleado supostamente após fugir quando ia prestar um depoimento.




Da Redação

A população da cidade de Cabedelo está mobilizada para o enterro do presidiário Vanildo do Nascimento Chagas, o “Gaynão”, que morreu na madrugada de sábado (16) após ser baleado quando supostamente tentava fugir da polícia. "Gaynão" fugiu da sala de espera do Fórum da Comarca de Cabedelo, na última sexta-feira (15) quando ia prestar um depoimento. Ele estava preso desde janeiro deste ano no presídio de Santa Rita.

Na manhã deste domingo (17) faixas em protesto contra a morte de Vanildo, conhecido como “Gaynão”, foram espalhadas pelas ruas de Cabedelo para esperar o cortejo passar. A população diz que a morte do presidiário teria sido armada por ele ser testemunha chave de um crime, em que três policiais teriam matado um rapaz conhecido como Cleyton, na tentativa de matar o próprio Vanildo.

De acordo com a polícia, ele era acusado de assassinar um policial militar, participar do tráfico de drogas na região e ameaçar de morte o juiz Salvador Vasconcelos.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.