Policial

Meninas que teriam sido estupradas por pai e irmão não têm HIV

A suspeita foi criada por que o irmão das meninas é portador do vírus. Negativa foi confirmada pelo delegado do caso.




A Polícia Civil confirmou nesta quinta-feira (19) que as crianças de 5 e 12 anos que teriam sido estupradas pelo pai e pelo irmão na cidade do Conde, não foram contaminadas pelo vírus HIV. A suspeita de risco surgiu por que o irmão é portador do vírus. A negativa foi confirmada pelo delegado responsável pelo caso, Luiz Eduardo.

O pai das meninas foi preso no dia 6 de maio. Segundo a polícia, ele teria incentivado o filho a abusar das irmãs. Os abusos aconteceram há dois anos, quando o irmão das meninas, atualmente com 18 anos , ainda era adolescente. A investigação começou há cinco meses, depois que a delegacia recebeu denúncias por parte do Conselho Tutelar.

De acordo com o delegado, as meninas fizeram um teste rápido de HIV no hospital Clementino Fraga, em João Pessoa. “O resultado da perícia chegou na delegacia essa semana e de acordo com o laudo, não houve a contaminação. Além disso, apesar da região íntima das meninas apresentar fissuras, não foi constatada a conjunção carnal”, disse.

No dia da prisão, o delegado explicou que o pai das meninas assumiu o estupro contra a filha mais velha, mas ressaltou que não houve penetração. “Os estupros aconteciam quando ela o visitava nos finais de semana. O pai pode ter tentado praticar o ato total, mas não conseguiu"

O pai das meninas foi levado para a Cadeia Pública de Alhandra, no Litoral Sul, mas para garantir a integridade física do suspeito, o delegado explicou que ele foi transferido para outra unidade prisional do estado. Ele vai responder, em prisão preventiva, por estupro de vulnerável. O filho, que apesar de atualmente ter 18 anos, vai responder em liberdade, segundo determina o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), uma vez que os atos teriam acontecido quando ele ainda era adolescente.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.