Policial

Mais uma mulher é espancada pelo marido dessa vez em Guarabira

Delegada do caso ressaltou que 80% dos casos de violência são cometidos por maridos, companheiros ou ex-companheiros.




Da Redação
Com Simone Silva

Mais um caso de violência contra mulher é registrado dessa vez na cidade de Guarabira. A vítima foi a agricultora Maria Marilene dos Santos, de 46 anos, residente na cidade de Sertãozinho. De acordo com informações da mulher, seu marido o agricultor José Erivaldo dos Santos, de 36 anos, lhe desferiu vários socos e pontapés, na manhã dessa segunda-feira (27).

Ainda de acordo com a vítima, as agressões continuaram no turno da tarde, quando a agricultora foi arrastada pelo chão, em frente de sua própria residência. Segundo a polícia, o acusado apresentava sintomas de embriagues. Ele foi preso em flagrante e conduzido à delegacia local.

De acordo com a titular da Delegacia da Mulher em Guarabira, Juliana Brasil, de 10 a 15 inquéritos de agressão contra mulheres da região do Brejo são encaminhados, mensalmente, à Justiça. Ela ressalta que 80% dos casos são cometidos por maridos, companheiros ou ex-companheiros.

Segundo a delegada, um dos fatores que vêm contribuindo para o aumento do número de violência contra a mulher é o crescente consumo de bebidas alcoólicas e drogas. Outro dado preocupante, é que na maioria das vezes os filhos também são vítimas de violência ou presenciam as agressões sofridas pelas mães.

De acordo com a delegada Juliana, os dois principais tipos de violência que mais traumatizam as mulheres são: a sexual e a psicológica. “Não é a agressão física a pior das violências sofrida por uma mulher, mas a agressão verbal, a humilhação e a sujeição à imposição das vontades sexuais dos companheiros”, relatou.

Por outro lado, Juliana Brasil disse que, em muitos casos, as denunciantes retiram as queixas contra seus companheiros justificando a decisão no não desejo de verem os filhos sendo expostos mediante a prisão dos pais.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.