Policial

Alunos denunciam maus tratos na PM

Grupo de alunos do curso preparatório da Polícia Militar denunciam violência, tortura e carga execessiva de trabalho, no Centro de Ensino da PM.




Policiais preparados para o combate embalados por músicas que incitam a violência, maus tratos e carga de trabalho excessiva, fazem parte da formação oferecida pelo Centro de Ensino da Polícia Militar (CE) a soldados e oficiais, conforme relatório emitido pela Ouvidoria da Secretaria de Segurança e Defesa Social do Estado. O estudo mostrou ainda a prática de corrupção, tortura e existência de um grupo de extermínio nas Polícias Militar e Civil da Paraíba.

Conforme Waldenia Paulino, ouvidora da polícia, recentemente o órgão recebeu um dossiê de um grupo de policiais militares em formação que preferiu não se identificar em razão de possíveis represálias. No documento os profissionais revelam trechos de músicas com apologia à violência, além de maus-tratos sofridos durante o curso de formação.

Os alunos soldados são alvo ainda de ataques pejorativos, a exemplo de xingamentos. “Não há compromisso por parte da política educacional do Centro de Ensino nas atividades de acompanhamento psicológicos e metodológicos aos alunos e policiais militares em formação, treinamento e capacitação. A violência simbólica está bastante presente no cotidiano da formação, capacitação e treinamento dos policiais militares do Centro de Ensino da PM na Paraíba”, relatou Waldenia Paulino.

Os policiais que denunciaram maus tratos sofridos por patentes superiores também são alvo de perseguição e até expulsão. A Ouvidoria ainda revelou que poucos casos enviados à Corregedoria culminam em punições aos denunciados. “Nas Corregedorias da Polícia Civil e da Polícia Militar prevalece, na maioria dos casos, o corporativismo e resulta no arquivamento da denúncia sem punição. Não é infrequente o caso em que as vítimas e as testemunhas são desqualificadas”, concluiu Waldenia Paulino.

A ouvidora sugere que o Secretário de Segurança Pública, juntamente com o Comandante Geral da Polícia Militar, além dos procedimentos de apuração, constitua um grupo de trabalho com professores da Universidade Federal e Estadual, especialistas na área de educação e segurança pública para imediata reavaliação das grades e das metodologias dos Centros de Formação da Polícia Militar.

TREINAMENTO
O diretor do Centro de Ensino da Polícia Militar, coronel Sales Júnior, informou que ainda não tomou conhecimento do relatório e desconhece as denúncias divulgadas no documento. Segundo o diretor, todos os cursos e treinamento oferecidos no Centro de Ensino aos aspirantes e policiais são realizados de acordo com a matriz curricular elaborada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública.

De acordo com o coronel, antes de participar dos treinamentos e cursos, os militares passam por avaliações médicas e de condicionamento físico, que servem para atestar se a pessoa possui aptidão para os treinamentos. “São cursos pesados fisicamente. Mas, os oficiais e professores que ministram os cursos são pessoas com formação específica e nossa orientação é de tratar os alunos com respeito e dignidade.

Porque, se a gente tratar mal os alunos, eles vão agir da mesma forma lá fora”, disse.

Sobre as denúncias apontadas no relatório, o diretor informou que vai solicitar uma investigação preliminar para apurar os casos. “Não posso comentar o que não conheço, mas se for comprovada, os responsáveis serão punidos”, completa.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.