Política

Troca de farpas marca debate em Cajazeiras

Debate entre os candidatos à Prefeitura de Cajazeiras aconteceu na Câmara Municipal e foi promovido pela Rádio Paraíba 101 FM.

Divulgação
Troca de acusações entre os candidatos marcou o debate entre os candidatos a prefeito de Cajazeiras


Os três candidatos à prefeitura de Cajazeiras discutiram propostas e trocaram acusações durante o debate promovido ontem pelo programa Polêmica Paraíba, da Rádio Paraíba 101 FM. O atual prefeito e candidato à reeleição Carlos Rafael (PTB), o ex-prefeito Carlos Antônio (DEM) e o professor Carlos Gildemar Pontes (PSOL) discutiram temas como saúde, educação, êxodo rural, geração de emprego e uso das águas da transposição do rio São Francisco.

O debate aconteceu na Câmara Municipal, com mediação do jornalista Gutemberg Cardoso e foi transmitido para Cajazeiras pelas emissoras Patamuté FM, Difusora Rádio Cajazeiras AM, Alto Piranhas AM e Oeste AM. Hoje o Polêmica Paraíba promove debate com os prefeitáveis de Sousa, e amanhã com os candidatos à Prefeitura de Patos. O programa vai ao ar a partir das 12h30.

O clima esquentou no terceiro bloco, quando começou a rodada de perguntas com temas livres. O atual prefeito Carlos Rafael e o ex-prefeito Carlos Antônio trocaram acusações de irregularidades na gestão, na contratação de servidores, bem como em programas como o 'Pão e Leite' e a realização de eventos como o carnaval da cidade.

A primeira acusação foi feita por Carlos Rafael: “Quero saber dos R$ 3 milhões que deveriam ir para o bolso dos trabalhadores de Cajazeiras”, perguntou. O candidato do DEM negou as acusações. “Deixei dinheiro em caixa e durante meus oito anos de governo tive todas as minhas contas aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado”, afirmou Carlos Antônio.

O indeferimento da candidatura de Carlos Antônio também esteve em pauta, sendo lembrada pelos candidatos do PTB e do PSOL. Inclusive por várias vezes Carlos Rafael o classificou como candidato a candidato e de candidato impugnado. O prefeitável do DEM afirmou que vai recorrer até as últimas instâncias para manter a candidatura. “Estamos com nossa candidatura no TSE e se precisar vamos ao STF para vencer essas eleições”, afirmou. Carlos Antônio acusou o atual prefeito de atrasar salários, contratar 1,5 mil funcionários só em 2012, sendo 86 em período eleitoral, o que seria conduta vedada. Carlos Rafael negou qualquer irregularidade.

O candidato do PSOL disparou contra os dois adversários que já passaram pela prefeitura. Carlos Gildemar acusou a atual gestão de não pagar o piso salarial aos professores da rede municipal, além de falta de merenda e de estrutura nas escolas. Já contra Carlos Antônio, o socialista reclamou do fechamento da Secretaria de Cultura e da falta de investimento no setor. “Não dá pra ter qualidade do ensino com professor mal remunerado”, disparou.