Vida Urbana

Publieditorial

Estado terá seis escolas técnicas

Construção das escolas técnicas está sendo feita através de parceria com o governo federal, e o investimento total é de R$ 43,2 milhões.




Fotos: Kleide Teixeira
Fotos: Kleide Teixeira
Objetivo da construção das escolas técnicas estaduais é investir no ensino médio integrado à educação profissional

A capacitação técnica dos jovens paraibanos vai ficar mais fácil com a chegada das escolas técnicas estaduais. Elas vão possibilitar a formação voltada para o mercado de trabalho, garantindo a inserção de jovens na População Economicamente Ativa (PEA). Seis unidades educacionais estão sendo construídas nos municípios de João Pessoa, Bayeux, Mamanguape, Cuité, Cajazeiras e São Bento.

Serão abertas mais de 7 mil vagas nas seis unidades. Em João Pessoa, a escola técnica estadual está sendo construída no bairro de Mangabeira, na zona sul da capital. Em Bayeux, a estrutura fica localizada na avenida Liberdade, a principal da cidade. As duas escolas representam uma oportunidade a mais para estudantes que sonham em fazer o ensino médio integrado ao profissional, e também o desenvolvimento dessas localidades.

As obras seguem em ritmo acelerado, com o objetivo de colocar as unidades em funcionamento o mais rápido possível, prezando, no entanto, pela qualidade do serviço. Em cada uma das unidades – João Pessoa e Bayeux – trabalham 100 operários, o que representa, também, a geração de empregos no setor da construção civil.

A construção das escolas técnicas na Paraíba está sendo feita através de uma parceria com o governo federal, e o investimento total é de R$ 43,2 milhões, sendo R$ 7,2 milhões por unidade. A primeira obra a ser iniciada foi a de Mamanguape, no litoral norte. A unidade vai atender à necessidade de jovens da região do Vale do Mamanguape.

O padrão das escolas técnicas estaduais é de alto nível. Todas com primeiro andar, 11 salas de aula, auditório com capacidade para 145 pessoas, sala multimídia para professores, laboratório de línguas, informática, física, química, biologia e matemática, biblioteca, cantina, refeitório, cozinha industrial completa, oficina de manutenção, sala para o grêmio estudantil, centro de vivências e anfiteatro. Uma estrutura completa que vai garantir a qualidade do ensino e da formação dos estudantes.

Esse modelo adotado atende às exigências do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que elaborou o projeto em parceria com a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação. A Paraíba também atende outros requisitos, como o tamanho do terreno, que tem que ser de 12 mil metros quadrados. A construção das escolas técnicas está dentro das ações do programa Brasil Profissionalizado, do governo federal.

O principal objetivo da construção das escolas técnicas estaduais é investir no ensino médio integrado à educação profissional. Quando concluídas, as escolas permitirão a inserção dos jovens no mercado de trabalho com uma formação técnica adequada. A Paraíba deve ganhar, ao todo, 15 escolas técnicas.

CONSULTA POPULAR VAI DEFINIR ESCOLHA DE CURSOS

De acordo com o Ministério da Educação, a oferta do ensino médio integrado à educação profissional deve contribuir com a melhoria da qualidade dessa etapa final da educação básica. Em termos curriculares, a modalidade reúne conteúdos do ensino médio e da formação profissional que devem ser trabalhados de forma integrada durante todo o curso.

Conforme o MEC, um currículo de ensino integrado não se trata apenas de somar o ensino médio com o técnico, nem mesclar os componentes curriculares, mas de reconstruir coletivamente, a partir da realidade social, um currículo capaz de garantir a efetiva formação integral.

A escolha dos cursos que serão oferecidos pelas escolas técnicas estaduais só será definida após uma consulta popular e análise de dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Com essas informações, será possível identificar quais os cursos mais proveitosos, tendo em vista a necessidade do mercado de trabalho atual.

Em Cajazeiras, no Sertão, a ordem de serviço para o início da construção da escola técnica estadual foi assinada no início do ano passado. A unidade está sendo construída em uma área próxima à BR-230. A escola técnica vai formar jovens qualificados para a região e contribuir com o desenvolvimento da região.

No município de Bayeux, a escola técnica estadual já provoca ansiedade nos estudantes, a exemplo de Danilo Costa. “Com essa escola na cidade não teremos mais que nos deslocar para fazer um curso de qualidade em João Pessoa. Quero ser um dos primeiros a estudar na escola técnica, vai ser um orgulho para todos nós”, declarou.

Na avaliação da professora Fernanda Fontes, o ensino médio integrado ao profissional é importante porque se preocupa em ensinar o conteúdo ao mesmo tempo em que prepara o jovem para o mercado de trabalho. “É uma metodologia interessante porque ensina um ofício ao aluno, que chega ao mercado com qualificação e ensino de qualidade. Ganha o aluno, ganha a sociedade e ganha o mercado de trabalho”, opinou.

Para o professor Robson da Silva, as escolas técnicas estaduais vão representar o desenvolvimento do ensino e da economia nas cidades do interior. “Geralmente nesses municípios as pessoas têm que ir para outros locais para estudar. Com a chegada das escolas técnicas isso não será mais necessário, porque os alunos terão outras opções”, declarou. “Estudei em escola técnica e sei o quanto isso é benéfico para o estudante”, afirmou.





CONTEÚDO DE RESPONSABILIDADE DO ANUNCIANTE