Mundo

Ministro de Israel congela repasse para Unesco

Israel contribui com 2 milhões de dólares para o orçamento anual da Unesco. A Autoridade Nacional Palestina (ANP) foi admitida na última segunda-feira como membro de pleno direito da Unesco.




O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, ordenou o congelamento da contribuição financeira de Israel para a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), após a admissão da Palestina pela agência, afirmou ontem um porta-voz do governante.

Israel contribui com 2 milhões de dólares para o orçamento anual da Unesco. A Autoridade Nacional Palestina (ANP) foi admitida na última segunda-feira como membro de pleno direito da Unesco com 107 votos a favor, 52 abstenções e 14 votos contra dos estados membros presentes na votação em Paris.

“O primeiro-ministro decidiu que o orçamento deve ser distribuído para iniciativas de cooperação com os mesmos objetivos [culturais e científicos] na região”, informou um comunicado do gabinete de Netanyahu.

Em uma referência à decisão da Unesco, o gabinete do chefe do governo israelita afirmou ainda que “tais iniciativas não fazem avançar a paz, muito pelo contrário, a atrasam. A única via de atingir a paz é por meio de negociações diretas sem condições prévias”.

No mesmo dia da admissão da Autoridade Nacional Palestina, os Estados Unidos, que votaram contra, anunciaram a suspensão total da sua contribuição financeira para a organização internacional. A suspensão teve um efeito imediato.

Isso fez com que os Estados Unidos deixassem de canalizar para a organização, com sede em Paris, US$ 60 milhões que deveriam ser encaminhados durante este mês – a principal parte dos US$ 80 milhões que destinavam anualmente à Unesco.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.