Esportes


Para conter gastos, CBV faz mudanças em departamentos

Deixam a entidade o diretor-executivo Ricardo Trade, o Baka, além do diretor e do gerente de seleções de vôlei de praia.




A Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) passa por mudanças em alguns setores um ano após a Rio 2016. Deixam a entidade, o diretor-executivo Ricardo Trade, o Baka, além do diretor e do gerente de seleções de vôlei de praia, Fulvio Danilas e Franco Neto, respectivamente. As saídas visam uma contenção de gastos e o início do planejamento para o ciclo olímpico de Tóquio em 2020.

No departamento de vôlei de praia da CBV, José Virgílio Pires, irá responder interinamente pela pasta. O cargo de diretor vai ficar vago, enquanto na gerência de seleções, Pedro Paladino, será o responsável. Na área de competições Valder Mesquita continua à frente.

"Fulvio e Franco trabalharam muito nesse último ciclo olímpico. As mudanças foram necessárias devido readequações de ajustes orçamentários pelo momento econômico que passa o Brasil, além da diminuição de patrocínios nas entidades esportivas, o que implica diretamente em um novo planejamento visando Tóquio 2020. Isso acaba influenciando na gestão interna, então, precisamos fazer algumas adequações", disse Virgilio Pires.

Leia a matéria completa no GloboEsporte.com/pb