Esportes

CBF pressionada para tirar Dunga após resultados ruins

Dirigentes do alto escalão, com poder e influência na entidade, querem trocar o treinador e o coordenador de seleções.



Há uma guerra cada vez menos silenciosa em curso na CBF pelo comando da seleção brasileira. De um lado, dirigentes do alto escalão, com poder e influência na entidade, querem trocar o treinador e o coordenador de seleções. De outro, Dunga e Gilmar Rinaldi acreditam que estão sendo fritados e batalham para permanecer nos cargos.

Oficialmente, a CBF não comenta o assunto. A coordenação de seleções, comandada por Gilmar Rinaldi, informa que "o planejamento está mantido para Copa América e Olimpíadas". Mas mudanças estão sendo discutidas pela cúpula. Haverá uma série de reuniões na semana que vem para tratar do futuro da Seleção. A primeira delas será na próxima terça-feira.

Para os cartolas que defendem essa linha, Dunga comandaria a Seleção na Copa América Centenário, em junho, nos EUA - mas a seleção olímpica seria isolada e blindada, com outro responsável. A medalha de ouro é o único troféu que falta na galeria da CBF. O técnico "interventor" seria alguém de fora - e não Rogério Micale, que comandou as últimas partidas da seleção olímpica.

Ao contratar esse técnico forte para o time olímpico, a CBF também criaria uma sombra para Dunga no time principal.

Entre os nomes nacionais, o mais cotado para assumir a Seleção, em caso de demissão de Dunga, é o corintiano Tite. Além dele, Muricy Ramalho, do Flamengo, também está bem cotado pelos dirigentes.