Esportes

Prefeitura de JP corta o patrocínio para Botafogo, Auto Esporte e CSP

Quem vai sofrer um baque maior é o Belo, que em 2015 recebeu R$ 400 mil da parceria com o poder municipal.



Os três principais clubes de João Pessoa vão ter um desfalque financeiro em seus cofres nesta temporada de 2016. A Prefeitura de João Pessoa anunciou nesta semana uma série de medidas que visam à redução de gastos e, entre elas, está o corte de verbas a Botafogo, Auto Esporte e CSP. Quem vai sofrer um baque maior é o Belo, que em 2015 recebeu R$ 400 mil da parceria com o poder municipal e, agora, não vai mais contar com esse recurso.

A alegação da Prefeitura Municipal de João Pessoa é de que a redução de despesas visa garantir a entrega das obras e a realização dos serviços que atendem a população e se justificam para tentar "combater os efeitos da crise econômica que atinge o país", como citado no site oficial da instituição.
"Todas essas medidas visam garantir o pagamento da folha salarial em dia, com respeito aos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal. Além disso, vamos garantir que todas as obras e serviços sejam entregues conforme o planejado", comentou o prefeito Luciano Cartaxo.
 
De acordo com o sistema de transparência do site da Prefeitura de João Pessoa, o Botafogo recebeu R$ 400 mil em 2015. No mesmo sistema não constam valores referentes a pagamentos ao Auto Esporte e ao CSP - o patrocínio, segundo esses clubes, era de R$ 180 mil, mas não foi pago em 2015.

BUSCA POR DINHEIRO
 
Sem o aporte do dinheiro público, os clubes buscam soluções para ter receita em ano de crise. No Botafogo, a diretoria deve negociar um novo patrocinador master. Mas de acordo com o vice-presidente, a grande ajuda virá do torcedor.
 
"O grande patrocinador do Botafogo neste ano será o Sócio-Torcedor. Com ele, vamos suprir essa perda", avaliou o dirigente alvinegro.
 
Já o CSP lamenta a decisão da Prefeitura, e faz uma previsão pessimista para o futebol de João Pessoa em 2016. Segundo ele, o objetivo do Tigre será se manter na primeira divisão.
 
"Tínhamos sempre os três times, Botafogo, CSP e Auto, brigando pelas primeiras colocações. Agora, a situação é diferente. A nossa luta agora vai ser contra o rebaixamento", frisou o dirigente, que confiava ainda na liberação dos recursos do ano passado, que não tinham sido pagos pela Prefeitura.