Esportes

Paraibano Almir fala sobre passagem por Flamengo e 'sonho realizado'

Meia foi contratado após o estadual, teve poucas chances entre os titulares e  já deixou o clube.



Divulgação/Flamengo
Divulgação/Flamengo
Jogador sofreu uma contusão no braço e ficou fora dois meses

O Flamengo encerrou 2015 sem títulos. Pior que isso, sem engrenar em nenhum momento da temporada. Uma das justificativas possíveis para o ano em baixa é a troca constante de técnicos: foram quatro em 12 meses. Outro fator: a grande quantidade de jogadores que, ao longo da temporada, não conseguiram se firmar no time. Um desses atletas é o meia Almir, que chegou ao clube após o estadual, teve algumas chances entre os titulares, mas acabou sofrendo uma grave contusão no braço, que o afastou dos campos por dois meses.

No fim do ano, a diretoria optou por uma reformulação no elenco e o jogador deixou o clube. De férias em João Pessoa, o meia comentou sua passagem pelo Rubro-Negro, falou que vestir a camisa do Fla foi a realização de um sonho, mas ponderou que a pressão no clube pesa muito e ainda avaliou a campanha do time no Brasileiro como "lamentável".

"Sofremos muito com a pressão interna e externa. O Flamengo é um clube gigantesco. Você sofre pressão de todo lado: da torcida, da diretoria. Infelizmente tivemos quatro treinadores no ano. Isso prejudica muito o trabalho. Não conseguimos ter uma sequência de vitórias", desabafou Almir.

Desde que chegou ao Fla, em abril deste ano, Almir foi treinado por Vanderlei Luxemburgo, Cristóvão Borges, Osvaldo de Oliveira, e também por Jayme de Almeida, que comandou interinamente o time. E a primeira mudança de técnico foi a que mais incomodou Almir. O meia chegou ao Flamengo por indicação de Luxa, que se interessou pelo futebol que o jogador apresentou no Bangu durante o Campeonato Carioca.

Agora, pensa no futuro. E o presidente do Bangu chegou a dar como certo o seu retorno ao time de Moça Bonita.  Mas, ao menos por ora, o paraibano desconversa e deixa em aberto para outras propostas do futebol. Segue sem futuro certo, mas sabe que segue jogando.