Esportes

Após muita discussão, Arbitral define fórmula do Campeonato Paraibano 2016

Proposta do Sousa é aprovada, com divisão de grupos e 16 datas para acomodar três fases.



Hévilla Wanderley
Hévilla Wanderley
Mesmo após quase 5 horas de Arbitral, dirigentes ainda se reuniram na sala do presidente

Depois de muita polêmica, troca de xingamentos, debates ásperos e muitas indecisões, o Campeonato Paraibano de 2016 já tem uma fórmula de disputa definida. A competição vai começar em 30 de janeiro do ano que vem e foi pensada para acabar após 16 datas. Vai ser dividida em dois grupos de cinco, com os clubes de um grupo enfrentando em turno e returno apenas os rivais do outro grupo. E com a possibilidade de não ter o clássico Botafogo x Treze.

O campeonato prevê ainda uma espécie de Torneio da Morte, com os quatro eliminados da primeira fase, para definir quem vai ser rebaixado. Mas a parte mais esdrúxula do regulamento é aquela que prevê que um dos “eliminados” no mata-mata da segunda fase vai permanecer na disputa. Isto acontece porque como a segunda fase vai ter apenas três disputas eliminatórias, o quarto clube semifinalista vai ser aquele que tiver a melhor campanha dentre os três derrotados.

Em suma, os times do Grupo A enfrentam os do B, classificando os três primeiros para o mata-mata. Na segunda fase, os vencedores se garantem nas semifinais, assim como o melhor time por índice técnico entre os perdedores.

Foram apresentadas cinco propostas. No fim, prevaleceu a do Sousa, que teve o apoio de outros cinco times. Treze e Campinense, que queriam a manutenção da fórmula deste ano, evocando o Estatuto do Torcedor, foram votos vencidos. Para a FPF, como houve uma adequação no calendário da CBF, prevalece a vontade da maioria simples, sem a necessidade de unanimidade.

Com ânimos exaltados, os dirigentes ainda se reuniram a portas fechadas na sala do presidente Amadeu Rodrigues. Só por volta das 20 horas é que o martelo foi batido.

Curtinhas do Arbitral

O clima ficou quente na reunião de ontem. Como era esperado, a imprensa ficou fora das discussões. Mas, em dado momento, o presidente do Sousa, Aldeone Abrantes, saiu da sala esbravejando contra Fábio Azevedo, conselheiro do Treze. Rolou até palavrão.

O Treze não se conformou em não ver a manutenção do regulamento deste ano. Acreditava que qualquer mudança precisaria de unanimidade, como exige o Estatuto do Torcedor. Saiu da reunião dizendo que vai entrar na Justiça para tentar reverter a situação.

Com Botafogo e Treze no mesmo grupo, o Clássico Tradição pode não acontecer no Paraibano do próximo ano. Como os times de uma chave enfrentam os da outra na primeira fase, Galo e Belo só poderão se cruzar no mata-mata.

Após a definição do regulamento, a FPF corre para fazer a tabela. Como tem que divulgá-la 60 dias antes da competição,  a data-limite é 30 de novembro. Por causa do Folia de Rua, não devemos ter jogos em João Pessoa na primeira rodada.