Esportes

Nova regra de classificação para Série D preocupa clubes da PB

Dirigentes se mostram receosos em definir calendário de 2 anos em um só campeonato. Classificado via Paraibano jogará duas edições.



Leonardo Silva
Leonardo Silva
O presidente do Campinense, William Simões, criticou a decisão da CBF.

A decisão da CBF em mudar as regras da Série D não ganhou respaldo nos clubes paraibanos. Todos eles se mostraram receosos em jogar o futuro de dois anos num único campeonato. Pela nova determinação da CBF, o classificado para a quarta divisão do próximo ano também representará o Estado em 2017. Ou seja, o classificado via Paraibano jogará as duas próximas edições.

Existe ainda a possibilidade de um torneio seletivo, realizado no segundo semestre, para apontar o representante de 2017. Mas, pelo histórico da Copa Paraíba, competição que tinha função similar e classificava para a Copa do Brasil, dificilmente terá quórum para acontecer - a CBF exige um mínimo de quatro clubes na disputa do Seletivo.

Na Paraíba, os dirigentes se mostram preocupados. O presidente do Campinense, William Simões, criticou a decisão da CBF.

"A gente fica meio receoso com essa situação. Porque o time que não conseguir a vaga em um ano, acaba sendo penalizado por dois anos, sem disputar o Campeonato Brasileiro. A gente recebeu essa notícia de uma forma não muito boa. Não acho que traga muitas vantagens para o clube", comentou o dirigente raposeiro.

Aldeone Abrantes, presidente do Sousa, vai na mesma linha de raciocínio. Para ele, o que a CBF deveria fazer era uma reformulação total no futebol, e não se preocupar apenas com os critérios da Série D.

"É uma decisão isolada que faz mal ao futebol brasileiro. E até hoje não sabemos o porquê disso tudo. O que a CBF deveria fazer era uma grande reformulação no futebol, criar uma Série E ou aumentar o número de clubes na D. Qualquer coisa para manter os clubes em atividade por mais tempo", sugeriu o sousense.

Treze e CSP foram mais comedidos, mas também acompanham com atenção os bastidores da medida. No Galo, o diretor de futebol Alankardec Cavalcanti disse que a diretoria se reunirá para analisar essa determinação da CBF, já que não recebeu nenhum comunicado oficial da Federação Paraibana de Futebol, que é filiada à entidade, sobre o assunto.

“Olha, a gente não tem uma opinião formada sobre esse assunto. Mesmo porque ficamos sabendo dessa determinação da CBF pela imprensa. Por isso, não podemos emitir uma opinião com relação a esse tema”, disse o dirigente.

Josivaldo Alves, presidente do CSP, foi outro que preferiu a cautela. Ele admite que ainda não avaliou a situação e que dará uma opinião assim que for possível.

"Não recebi (as novas diretrizes) da FPF. Depois a gente avalia. Por enquanto não dá para dizer se é bom ou ruim", comentou.

Bota cede três ao Esporte de Patos

O Botafogo vai ampliar a parceria com o Esporte de Patos para 2016. Depois do título da 2ª Divisão pelo Terror do Sertão utilizando três jogadores do Belo, a intenção é elevar esse número.
"O número de atletas emprestados deve ser entre seis e oito. Temos que colocar esse pessoal da base para jogar. Não adianta ficar só fazendo número no elenco", justificou o vice-presidente botafoguense Breno Morais, confirmando os três primeiros nomes emprestados: o goleiro Andrezon, o meia André Luís e o atacante Evandro.

Sub-20: CSP terá maratona de jogos

O CSP pretende fazer uma maratona de amistosos em preparação para a Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2016. Foi o que informou o treinador Gerson Júnior, que disse também que o Treze deve ser o primeiro adversário do time na primeira das partidas antes do torneio.
A diretoria do clube ainda não confirmou o dia ou o local em que o jogo deve acontecer. No entanto, o técnico deu uma pista de que os amistosos podem acontecer aos sábados. O Tigre é o único clube paraibano já confirmado na Copa SP de 2016.