Esportes

Futebol paraibano já demitiu sete técnicos

Com as demissões de Reginaldo Sousa, do Sousa, e Betão, do Cruzeiro de Itaporanga, sobe para sete o número de técnicos demitidos na PB.




Definitivamente, a bruxa está solta no futebol paraibano. Pelo menos para o cargo de técnico. Com menos de um mês de bola rolando, já são sete os técnicos demitidos em 2013. As duas novas vítimas foram Reginaldo Sousa, do Sousa, e Betão, que estava no comando do Cruzeiro de Itaporanga.

Eles não resistiram às fracas campanhas de seus times – o Dinossauro, na Copa do Nordeste; e a Raposa do Vale, no Campeonato Paraibano. Nenhum dos dois clubes anunciou substitutos.

A despedida de Reginaldo Sousa do comando do Dinossauro aconteceu de forma melancólica. Na última partida válida pela competição regional, o Sousa foi goleado por 6 a 1 pelo Sport na Ilha do Retiro. Antes disso, a equipe sertaneja já tinha perdido dentro de casa, por 1 a 0, para o Fortaleza, no jogo que marcou a eliminação antecipada do time.

A expectativa da torcida agora é para saber o nome do próximo comandante alviverde e se alguns dos jogadores que fizeram parte do elenco nesse começo de temporada também vão deixar o Estádio Marizão. Com a saída antecipada da Copa do Nordeste, o Sousa vai ter agora pouco mais de um mês para montar o elenco que vai entrar na disputa do Campeonato Paraibano.

O novo técnico do Dinossauro deverá ser anunciado na segunda-feira, em meio ao carnaval. "Vamos começar a buscar outros nomes e viabilizar o mais rápido possível a chegada de um treinador para atuar no Campeonato Paraibano", comentou o gerente de futebol do Sousa, Rafael Abrantes.

EM ITAPORANGA
Betão deixou o Cruzeiro de Itaporanga nesta sexta-feira, um dia depois de ter sido derrotado em casa para o CSP, por 4 a 2. O treinador deixa o Cruzeiro na lanterna da competição, com apenas seis pontos conquistados em nove jogos. O time conquistou apenas uma vitória e três empates. Foram cinco derrotas. E apesar de reconhecer que estava desgastado, Betão não poupou críticas ao elenco
"O clube tem dificuldades e jogadores sem qualidade. Assim fica difícil ganhar jogo", disse.

Segundo o treinador, foi ele quem pediu para sair. Betão teria reconhecido que um outro nome poderia dar uma motivação extra à equipe, que ainda briga contra o rebaixamento.

Os outros cinco técnicos que perderam o emprego na Paraíba foram: Denô Araújo (Auto Esporte), Edson Ferreira e Luiz Carlos Mendes (Paraíba), Jorge Pinheiro (Atlético) e Neto Maradona (Nacional de Patos).


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.