Economia e Negócios

Salão do Artesanato em Campina Grande tem vendas abaixo do esperado

Apesar disso, montante vendido ainda é superior ao registrado na edição 2018.




A 30ª edição do Salão do Artesanato da Paraíba, em CG, chegou ao fim neste domingo (30). Foto: Reprodução/TV Paraíba

Mesmo com uma infraestrutura bem mais ampla e acessível aos visitantes, a 30ª edição do Salão do Artesanato da Paraíba chegou ao fim neste domingo (30), em Campina Grande, com resultado abaixo do esperado para a edição deste ano. Os organizadores esperavam arrecadar R$ 1,2 milhão, mas, segundo a gestão do Programa do Artesanato da Paraíba (PAP), foram comercializadas, nos 19 dias de realização do evento, mais de 40 mil peças, totalizando R$ 1 milhão. O montante, no entanto, é superior ao vendido na edição 2018, quando foi arrecadado R$ 904 mil.

A edição deste ano teve como tema “Labirinto – A Arte que Une Gerações”. O 30º Salão de Artesanato da Paraíba ocorreu no Museu de Arte Contemporânea (MAC), resultado de uma parceria entre o Governo do Estado e a Unifacisa. Ao todo, participaram da 30ª edição do Salão do Artesanato da Paraíba 330 artesãos, oriundos de 46 municípios paraibanos, entre eles Campina Grande, João Pessoa, Lucena, Nova Palmeira, Cabaceiras e Itaporanga. Um total de 109 mil pessoas passaram pelo evento.

O governador João Azevêdo comemorou os números, destacando que o 30º Salão foi o maior dos últimos dez anos. “Estamos fortalecendo este segmento. E, a partir de quarta-feira, no Fenearte, no Centro de Convenções de Pernambuco, estaremos participando de mais um evento do artesanato. Entendemos que é desta forma que o segmento sai fortalecido cada vez mais. Então, parabéns a todos os artesãos e artesãs, e ao povo da Paraíba que está extremamente feliz”, comentou.

Já a gestora do PAP, Marielza Rodriguez, afirmou que a infraestrutura do evento e a qualidade das peças comercializadas pelos artesãos paraibanos foram os principais fatores para o sucesso da 30ª edição do Salão do Artesanato da Paraíba. “São números que mostram o quanto o artesanato da Paraíba tem sido respeitado por tudo o que ele representa para a cultura e também para a economia do Estado, com geração de renda para centenas de famílias”, disse.

“Esse resultado, que nos deixou muito felizes, foi alcançado graças ao empenho de toda uma equipe, que teve como grandes comandantes o governador João Azevêdo, que não mediu esforços para a realização do Salão do Artesanato, e a primeira-dama do Estado e presidente de Honra do Programa do Artesanato da Paraíba, Ana Maria Lins. Parabéns aos nossos artesãos e também aos nossos parceiros, que foram fundamentais em todo esse sucesso”, prosseguiu Marielza Rodriguez.

Novidades de sucesso

Ao chegar à sua 30ª edição, o Salão do Artesanato da Paraíba trouxe duas grandes novidades: a solidariedade, com a entrada ao evento mediante um quilo de alimento não perecível; e a conscientização ambiental, com a não utilização de sacolas e canudos plásticos.

Ao todo, foram arrecadadas 8,68 toneladas de alimento não perecível, que serão doadas a instituições carentes de Campina Grande, resultado de uma parceria entre o Governo do Estado e a Diocese do município.

O padre Sérgio Leite, responsável pelo Vicariato Episcopal de Caridade, Justiça e Paz, da Diocese de Campina Grande, ressaltou que a parceria firmada com o Governo do Estado superou as expectativas. “Essa parceria foi algo surpreendente, já que o propósito foi sensibilizar a comunidade, que entendeu que a entrada ao Salão do Artesanato mediante um quilo de alimento não era um pagamento, mas sim um gesto de partilha e de solidariedade”, afirmou.

Homenagem e satisfação

Com o tema “Labirinto – A Arte que Une Gerações”, a 30ª edição do Programa do Artesanato da Paraíba homenageou seis mestras do labirinto, representando mais de quatro mil artesãos que trabalham com a tipologia no Estado, principalmente nas regiões Agreste e Brejo do Estado.

A artesã Terezinha Matias, de 68 anos, começou a trabalhar com o labirinto aos oito anos de idade. A artesã, de Riachão de Bacamarte, agradeceu a homenagem e destacou que foi um dos maiores prêmios que já recebeu. “Receber essa homenagem do Governo do Estado foi um grande reconhecimento depois de muita luta. Andei por várias cidades do Estado divulgando o meu produto, que agora ganha reconhecimento. Fiquei muito feliz”, comentou.

Ainda foram homenageadas Maria Marta Ferreira, de 57 anos (Ingá); Evanilda Cavalcanti de Farias, de 71 anos (Serra Redonda); Antônia Ribeiro de Mendonça (in memorian); Antônia do Nascimento Marinho, de 69 anos (Juarez Távora); e Rita Fernandes da Silva, de 78 anos (Ingá).

Já outros artesãos destacam as vendas do 30º Salão do Artesanato da Paraíba. Maria Lúcia Dornelas de Araújo participa do Salão do Artesanato pela 12ª vez. Ela comemorou os resultados do evento. “O Salão teve uma grande infraestrutura e uma localização perfeita, proporcionando esses resultados excelentes. A organização do evento está de parabéns”, finalizou.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.