Economia e Negócios

Preço médio de imóveis na Capital cai 4,46% e especialistas colocam momento como ideal para compras

Índice Fipezap é o acumulado entre janeiro e dezembro; metro quadrado na Capital tem preço médio de R$ 4.546.




Construção, obra, construção civil, prédio, edifício

Foto: Rizemberg Felipe

A casa própria é o sonho de grande parte dos brasileiros e especificamente em João Pessoa, quem ainda não concretizou este momento, pode adquirir um imóvel com o preço um pouco mais baixo. Pelo menos é o que aponta o Índice Fipezap, divulgado nesta terça-feira (7), atribuindo uma queda de 4,46% no valor do metro quadrado na Capital paraibana, que atualmente tem um preço médio de R$ 4.546. O índice de queda é referente ao acumulado entre os meses de janeiro e dezembro de 2019.

O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon-JP), José William Montenegro, discorda dos números. Segundo ele, não houve decréscimo e sim uma estabilidade nos preços. Além disso, o representante da entidade também afirmou que o valor médio do metro quadrado atualmente na Capital está entre R$ 5.500 e R$ 5.700, bem acima do colocado pela pesquisa. William também garantiu que, em relação a negociações, o início de 2020 tem sido positivo para imobiliárias e corretores.

“Pra gente não tem sentido esse decréscimo. O que temos hoje são preços estáveis. Acompanhamos os índices através de pesquisas mensais e podemos ver uma uma estabilidade, além de uma diminuição dos estoques. O que deve ter a partir de agora é um movimento positivo nos estoques. O início de janeiro tem sido bom. As imobiliárias e corretores tem sinalizado isso pra gente. Posso afirmar que o metro quadrado em João Pessoa hoje está entre R$ 5.500, 5.700 se você vai em áreas maiores, área de praia ou determinados tipos de empreendimento. Você encontra preços menores em outras áreas, onde as construções são mais acessíveis”, disse José William, em entrevista à Rádio CBN João Pessoa.

O Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci-PB) também acredita na estabilização dos preços, mas não descarta a queda no índice e atribui fatores para esta redução. De acordo com o presidente Rômulo Soares, dentre as causas estão contratos de compra que foram desfeitos e novas construções que deixaram de ser lançadas em 2019.

“Houve um grande número de distratos nos contratos de imóveis em construção ou ainda na planta, além de uma diminuição no lançamento de empreendimentos neste período, pois os construtores estavam temendo o futuro. O mercado praticamente se estabilizou na questão de preços. Teve um congelamento e ao mesmo tempo melhores formas de negociação, com taxas mais baixas nos bancos ou tratativas diretamente com os construtores”, afirmou Rômulo.

O presidente do Creci-PB ainda destacou que pela quantidade de imóveis prontos em estoque, este é o momento propício para comprar. Empreendimentos em lançamento ou na planta podem ser bons negócios.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.