Economia e Negócios

Pontos de coleta são poucos na PB

Lixo eletrônico preocupa pelo aumento na velocidade do consumo de produtos tecnológicos, e consequentemente do descarte.




Em casos extremos não há como escapar: o computador não tem serventia alguma e precisa ser descartado. Nessa situação é onde reside o problema, visto que a velocidade de consumo de produtos de tecnologia é superior à dos locais de descarte do material.

O vice-presidente da Associação Paraibana dos Amigos da Natureza (Apan), Antônio Augusto Almeida, afirmou que o descarte de lixo eletrônico, também conhecido por e-lixo, em todo país é preocupante. “Isso preocupa em todo o país, inclusive já existem diversos projetos de leis específicas para esse tipo de lixo.

Precisamos que sejam efetivados esses projetos para que os responsáveis por esses produtos sejam punidos conforme a lei”, defendeu.

De acordo com Antônio Augusto, a responsabilidade do descarte dos produtos deveria partir daqueles que mais lucram com a venda deles. “Quem faz o produto é que deveria fazer projetos para descartá-los. É preciso também criar legislações locais que especifiquem o que devem ser feitos com esses produtos. Além disso, é necessário investir em educação ambiental, pois é o maior problema quando se fala em descarte de qualquer tipo de lixo”, concluiu.

A Secretaria de Estado dos Recursos Hídricos, do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia não tem projetos para o descarte específico de lixo eletrônico, segundo informou a assessoria de imprensa do órgão. A assessoria da Secretaria de Meio Ambiente de João Pessoa (Semam) também não tem projetos para descarte de lixo eletrônico, mas apoia a Ecobras, empresa de reciclagem de lixo eletrônico da Paraíba.

Para saber o ponto de descarte eletrônico mais perto de sua residência, o Instituto Sérgio Mota criou a página ‘E-lixo Maps’ , que faz mapeamento dos pontos de coleta de lixo eletrônico no país. No total são 16 pontos de recolhimento de lixo eletrônico na Paraíba, que há três anos recebem o material de descarte e encaminham para a Ecobras.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.