Economia e Negócios

Pesquisadores da UFPB criam liga metálica mais econômica pra uso na indústria

Luva para união de tubulações garante alta performance, evita soldagem e reduz custos




Invenção foi feita por cinco pesquisadores da UFPB (Foto: Reprodução)

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) teve mais uma patente concedida, a primeira do ano de 2020. A invenção é uma liga metálica diferenciada para uso em indústrias que utilizam tubulações. Chamada de “Luva com Efeito Memória de Forma Modificada para a União de Tubulações”, ela teve a Carta-Patente concedida no último dia 28 de janeiro. A informação é do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

A liga é composta pelos metais cobre, alumínio, berílio, nióbio e níquel que, na forma de luva de união e quando submetida a modificações dimensionais no seu diâmetro interno por ação mecânica e tratamentos termomecânicos, apresenta propriedade de memória estrutural apropriada para unir tubulações sem o uso dos procedimentos convencionais de soldagem ou colagem.

A novidade foi criada por cinco inventores, todos professores da UFPB: Tadeu Antônio de Azevedo Melo, Danniel Ferreira de Oliveira, Ieverton Caiandre Andrade Brito, Rodinei Modeiros Gomes e Severino Jackson Guedes de Lima, que morreu antes de a patente ser concedida.

O campo de aplicação da luva é nas indústrias química, petroquímica, agroindústria e em demais setores com atividades que utilizam tubulações metálicas em processos de produção ou para a conservação ambiental. A maior vantagem dessa tecnologia é ser armazenada em temperaturas próximas, menores ou maiores que 0º C.

Para quê serve?

De acordo com um dos inventores, Danniel Ferreira de Oliveira, as luvas visam à substituição do processo de soldagem, que degrada o revestimento interno existente em tubos de petróleo. Danniel contou que a aplicação das luvas possibilita a redução de custos para a indústria que utiliza tubulações metálicas, além de ser um produto de alta performance.

“Uma luva convencional exige que o operador leve nitrogênio líquido para poder expandir essa luva e colocar nos tubos. No nosso caso, não, a gente pode armazenar ela em temperatura a 0° C ou acima, levar para o campo e apenas aquecer no local, que é mais fácil do que resfriar”, disse Danniel.

Ele comemorou a concessão da patente porque é uma garantia para os criadores do produto. A patente tem validade de 20 anos, a partir da data do depósito, que foi em 22 de outubro 2013. Agora, os inventores pretendem divulgar o produto para as empresas tomarem conhecimento e aplicarem na indústria.

Líder em depósito de patentes

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) confirmou, em novembro do ano passado, a liderança da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) em depósito de patentes no país, conforme já havia anunciado a Agência de Inovação Tecnológica (Inova) da instituição paraibana.

A UFPB assumiu em 2018 o topo do ranking de maiores depositantes nacionais de patente de invenção com 94 pedidos, seguida pela Universidade Federal de Campina Grande (82 pedidos) e Universidade Federal de Minas Gerais (62 pedidos).

Em 2017, a liderança estava com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que passou para quinta colocada, com 50 pedidos de patente no ano passado. Já a Universidade de São Paulo (USP), que ocupava a quinta posição, caiu para o sexto lugar no ranking (47 pedidos). A UFPB subiu da 4° para a 1° posição.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.