Cultura

Um grito contra Pinochet

Filme que conta a história do plebiscito que garantiu abertura política ao Chile, é exibido nesta quinta-feira (21) na mostra Noite de Estreia.



Divulgação
Divulgação
Após No, às 21h, a mostra Noite de Estreia volta a exibir o drama francês As Neves do Kilimanjaro

A história do plebiscito que garantiu uma abertura política ao Chile no final dos anos 1980 é o mote de No (idem, Chile, França, EUA, 2011), produção que concorre ao Oscar de Filme de Língua Estrangeira neste ano e que terá sua primeira exibição nesta quinta-feira, às 19h, dentro da programação da mostra Noite de Estreia, que acontece até o final deste mês no Box Cinépolis (Manaíra Shopping), em João Pessoa. O filme volta a ser exibido na próxima segunda-feira (19h) e no dia 28 (21h).

O general Augusto Pinochet (1915-2006) comandou com ‘mão de ferro’ o Chile entre 1973 e 1990, depois de liderar o golpe militar que derrubou o governo do presidente eleito pelo voto direto, o socialista Salvador Allende. A era Pinochet é considerada o período mais negro e violento da história chilena.

No ano de 1988, pressionado pela comunidade internacional, o ditador aceita realizar um plebiscito nacional para definir sua continuidade ou não no poder.

Observando que esta seja uma oportunidade de pôr fim ao governo do general, líderes do governo resolvem contratar René Saavedra (vivido pelo ator mexicano Gael García Bernal, de Diários de Motocicleta) para coordenar a campanha contra Pinochet. Com poucos recursos e sob a constante vigilância de agentes do governo, o publicitário de ideias avançadas monta a sua campanha baseada no ‘Não’ popular.

No é dirigido por Pablo Larraín, cineasta que ganhou notoriedade com Tony Maneiro (2008), filme sobre um imitador do personagem interpretado por John Travolta no filme Os Embalos de Sábado à Noite (1977), que leva sua obsessão às últimas consequências para vencer um concurso televisivo de ‘covers’.

No seu mais recente filme, o diretor mostra os bastidores das propagandas eleitorais e foi atrás dos registros reais para oferecer ao longa-metragem o mesmo efeito das imagens televisivas da década de 1980: o formato da tela mais quadrado, a fotografia é conduzida com um estilo mais documental ‘câmera na mão’.

O filme é baseado na peça teatral El Plebiscito, de Antonio Skármeta, escritor chileno do best-seller O Carteiro e o Poeta (obra que também foi adaptada para o cinema em 1994).

NA PROGRAMAÇÃO
Após No, às 21h, a mostra Noite de Estreia volta a exibir o drama francês As Neves do Kilimanjaro, que também ganha uma sessão amanhã, no mesmo horário.

O filme mostra um casal (Jean-Pierre Darroussin e Ariane Ascaride) que vive junto há 30 anos e planeja viajar ao monte Kilimanjaro quando o marido, honesto líder sindical portuário, é demitido do emprego.

Um dia, o casal é abordado com violência em casa por assaltantes, que levam o dinheiro da viagem dos seus sonhos.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.