Cultura

"Só surubinha de leve" é retirada de catálogo do Spotify após denúncias

Música gerou polêmica nas redes sociais; paraibana criou petição para tirar música do ar.




MC Diguinho cercado de modelos na gravação do clipe de ‘Só surubinha de leve’ (Reprodução/Instagram (mcdiguinho))

O Spotify afirmou que vai retirar a música “Só surubinha de Leve” do MC Diguinho de seu catálogo após internautas denunciarem a canção por apologia ao estupro. A música está na lista das 50 mais virais do Brasil, mas foi alvo de críticas de uma estudante paraibana. Na letra, a composição se refere a embebedar mulheres, transar e abandoná-las na rua.

“O catálogo do Spotify é abastecido por centenas de milhares de gravadoras, artistas e distribuidoras em todo o mundo. Eles são devidamente avisados sobre nossas diretrizes e são responsáveis pelo conteúdo que entregam. Desta forma, informamos que contatamos a distribuidora da música “Só surubinha de leve” a respeito do ocorrido, e fomos informados que a faixa será retirada da plataforma nas próximas horas, uma vez que o tema foi trazido à nossa atenção”, disse a nota oficial.

Protesto contra 'Só surubinha de leve'Repercussão negativa

Uma estudante paraibana publicou um texto criticando a música do Mc Diguinho. Nesta quarta-feira (17), dois dias após a postagem, a publicação de Yasmin Formiga já havia sido compartilhada quase 130 mil vezes.

No texto, Yasmin considera que a música diminui a mulher e promove a violência. A letra, que sugere embebedar mulheres para conseguir relações sexuais, tem trechos como “só uma surubinha de leve com essas filha da puta” e o refrão “taca a bebida, depois taca a pica e depois abandona na rua” – frase que Yasmin utilizou para ilustrar seu protesto.

Petição

Após a repercussão da postagem, Yasmin fez uma nova postagem em sua página no Facebook em que propõe uma petição para que a música seja retirada do Spotify. Segundo a estudante, “A música “Surubinha de Leve”, do MC Diguinho, viralizou e está no topo da lista do Spotify que reúne as músicas mais virais brasileiras. A música também chegou a entrar na lista global.

“Pedimos ao Spotify Brasil que retire essa canção de seu catálogo, pois uma obra que estimula a violência e desvalorização das mulheres não merece ser divulgada ou compartilhada amplamente, sem uma devida restrição ou indicação de idade”, defende na petição.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.