Cultura

Roberta Miranda volta a se apresentar em JP abrindo Festa das Neves

Abertura da Festa das Neves acontece nesta sexta-feira (30), a partir das 19h, no Praça Vidal de Negreiros, conhecida como Ponto de Cem Réis, no Centro da Capital.



Divulgação
Divulgação
Cantora saiu da Paraíba cedo, aos 8 anos de idade

Astier Basílio
Do Jornal da Paraíba

Quando a entrevista terminou, Roberta Miranda fez questão de repetir duas expressões que já havia dito durante a conversa: a primeira, de que amava muito a Paraíba e a segunda, que tinha muito orgulho de ser paraibana. A Rainha da Música Sertaneja é a grande atração de abertura da Festa das Neves, que se inicia hoje. Ela conversou por telefone com a reportagem. Falou do show, da carreira e do carinho de cantar na sua terra natal.

Ao atender o telefone e saber que falava com um repórter do JORNAL DA PARAÍBA, Roberta foi logo dizendo “tudo bem, conterrâneo?” Ela faz questão de manter os vínculos, apesar de ter saído cedo da Paraíba, aos 8 anos. Roberta acompanhou a família que seguiu para São Paulo. Perguntada se alguma vez tinha ido à Festa das Neves, Roberta Miranda disse que certamente sim.

“Acredito que sim, já que meus pais eram muito católicos. Eu saí muito criança, as lembranças que eu tenho, embora sejam lindas e muito vivas, não são tantas”. Mocinha ainda, morando em São Miguel Paulista, Roberta Miranda teve como vizinho o ilustre músico Hermeto Paschoal. Ela ia até a casa dele e ficava observando o músico trabalhar.

Encontre mais opções de lazer na Agenda Cultural

Quer ir ao cinema? Acesse a programação e veja os trailers dos filmes em cartaz

“Foi muito importante pra mim ter aquele contato, mas o que me marcou mesmo, o que influenciou minha carreira foi Gonzagão, Ângela Maria, cantores que os meus pais ouviam aí na Paraíba e que eu aprendi a amar”, lembrou.

Nome de proa quando a música sertaneja estourou nos anos 1990, o sucesso de Roberta Miranda foi construído aos poucos e com muita perseverança. Foi crooner, cantou na noite. Foi contratada para abrir os shows do Beco e do Jogral, em São Paulo, o reduto da Bossa Nova naquela época. Perguntada se chegou a cantar Bossa Nova, Roberta despista. “Na noite você tem que cantar tudo, não é? Tem de estar atenta e atualizada com o sucesso do momento, tem que atender a tudo o que for pedido. A noite foi uma grande escola, cantei de tudo, não só música popular brasileira, mas música internacional também”.

Com quase 25 anos de carreira e mais de 20 discos no currículo, um deles totalmente de fados, Roberta entrará em estúdio em breve para um trabalho com uma forte marca autoral. “Será 90% de canções de Roberta Miranda. Vamos ter uma homenagem a Dominguinhos e outras canções”. Uma destas novas músicas será apresentada no show de hoje, “Sorrir Faz a Vida Valer” que, conforme a cantora, “tem tudo para ser carro-chefe do disco.

Ela também interpretará antigos sucessos de sua carreira, como “Majestade o Sabiá” e “São Tantas Coisas”. “Vai ser um show para eu cantar junto com o meu público”. Durante a conversa, Roberta Miranda repetiu o que escreveu em seu twitter: “(…) Todos os shows têm uma importância grande pra mim, mas em João Pessoa é especial pois é a minha terra mãe”. Cantar na Paraíba, contou, “tem uma emoção a mais. Eu tenho maior orgulho de levantar essa bandeira, o maior carinho por João Pessoa”.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.