Cultura

'Christopher Robin - um reencontro inesquecível': Ursinho Pooh num mundo adulto

Com tom melancólico, filme lança olhar saudoso e agridoce à infância.




Christopher Robin - uma aventura inesquecível

Cena de Christopher Robin – uma aventura inesquecível.

RESENHA DA REDAÇÃOCHRISTOPHER ROBIN – UM REENCONTRO INESQUECÍVEL (EUA, 2018, 104 min.)
Direção: Marc Forster
Elenco: Ewan McGregor, Hayley Atwell, Jim Cummings, Brad Garrett
★★★☆☆

 

Muitos se lembram do Ursinho Pooh por suas histórias divertidas e coloridas, em que o personagem estava sempre acompanhado dos amigos Tigrão, Coelho, Ió e, claro, de Cristóvão. Pode causar estranheza, portanto, o tom de Christopher Robin -um reencontro inesquecível, que estreia nos cinemas da Paraíba nesta quinta-feira (16): é muito mais provável que o filme apele ao público adulto que ao infantil.

A história começa com Christopher Robin (Ewan McGregor) – ao invés do nome abrasileirado Cristóvão, como utilizado na série de desenhos animados – como o conhecemos, brincando com Pooh e os amigos durante a infância no Bosque de Cem Acres. Em apenas poucos minutos, o longa é bem-sucedido em deixar explícito o profundo vínculo existente entre Pooh e Christopher – apelando, claro, para a memória afetiva que o espectador nutre das personagens. Mas esse não é o foco do filme: Christopher cresce (a passagem dos anos é representada criativamente, remetendo às origens literárias de Pooh nos livros escritos por A. A. Milne), e logo o vemos como um adulto atarefado, atolado em trabalho, amargo e sem tempo para a própria família. Quando desiste de um final de semana com a mulher e a filha por exigência do chefe, Christopher recebe uma visita inesperada do ursinho de pelúcia que marcou sua infância.

>>> Confira os filmes em cartaz nos cinemas da Paraíba nesta semana

A premissa é previsível e comum no cinema (muito parecida à de Hook – a volta do Capitão Gancho, por exemplo) e na ficção em geral: um personagem melancólico precisa ser lembrado do passado, geralmente da inocência da infância, para que redescubra o prazer de viver. Mas o tema batido não torna Christopher Robin piegas ou ineficiente – ao contrário, em tempos em que vivemos cada vez mais desconectados de amigos e familiares e grudados a telas de smartphones e computador, mensagens como essa se fazem cada vez mais prementes.

Esse tema surpreendentemente complexo e adulto para uma história de Pooh é traduzido plasticamente; o diretor Marc Forster filma suas cenas com uma paleta de cores obscura, que gira em torno do cinza – mesmo Pooh e os amigos (maravilhosamente animados) não apresentam aqui as cores vivas e alegres com que se revestiam nos desenhos. A morada dos bichinhos, o Bosque dos Cem Acres, sempre foi recheada de mel e guloseimas e traduzia o caráter aventureiro e vivaz da infância, mas neste filme é comumente retratada sob uma espessa camada de névoa ou sob uma chuva torrencial: uma metáfora bem-sucedida e clara do estado de espírito de Christopher (a gula de Pooh pelo mel, apesar disso, permanece a mesma).

christopher robin - uma aventura inesquecível

Ewan McGregor e Pooh em cena de Christopher Robin.

Cabe a Pooh e aos amigos, portanto, a tarefa de ressuscitar a criança que dorme em Christopher e relembrá-lo de que existem coisas mais importantes na vida do que trabalho, ascensão social e dinheiro. Como já foi dito, a premissa não é nada original; mas é impossível não se envolver com a figura de Pooh, que representa, em grande parte, nossa própria infância. Virtualmente todo mundo sente falta da época em que podia externar sua fome por doces à vontade; em que papéis e cálculos e trabalho eram palavras que não faziam sentido algum; em que a maior preocupação na face da terra era a difícil decisão entre brincar e não fazer nada. Pooh nos relembra dessa faceta de uma vida que perdemos, mas que secretamente desejamos de volta.

O filme tem suas falhas, como o tratamento dado aos outros amigos de Pooh, que ficam esquecidos em certo momento. A ação que movimenta o terceiro ato, que gira em torno da maleta perdida de Christopher, não empolga muito, e logo em seguida há uma tentativa de conscientização social nos últimos minutos que, embora bem-intencionada, soa totalmente descabida.

Mas Christopher Robin – um reencontro inesquecível é extremamente bem-sucedido em ativar as emoções do espectador (as crianças sairão ilesas, mas boa parte dos adultos provavelmente vai derramar uma lágrima ou duas durante a exibição) e em nos fazer olhar com ternura dolorosa em direção a um passado em que as coisas pareciam tão mais felizes e simples. Crescer e cercar-se de responsabilidades é, sob muitos aspectos, de fato uma experiência triste, mas não totalmente irreversível: de vez em quando não faz mal nenhum dar uma pausa no caos e procurar Pooh em busca de um abraço.


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.