Cultura

Opinião: ‘Homem-Aranha: longe de casa’: quando as máscaras caem...

Jornalista afirma que nova aventura de Peter Parker é um excelente filme de transição dos Vingadores




Homem-Aranha: longe de Casa está em cartaz nos cinemas da Paraíba desde a última quinta-feira (4). Foto: Divulgação

Sem medo de errar, vamos começar esse texto afirmando que ‘Homem-Aranha: Longe de casa’ é um dos melhores (senão o melhor!!!) filme do Homem-Aranha nos tempos modernos. Cartunesco, divertido e respeitoso com relação ao rumo tomado pelos Vingadores depois do Ultimato protagonizado por Thanos. Também impressiona como Tom Holland é convincente no papel do atrapalhado, nerd, bem-humorado e multitalentoso super-herói.

A história é a seguinte: em um mundo pós-Thanos, Peter Parker e seus amigos seguem para uma viagem escolar à Europa. Importante lembrar que Peter tem apenas 16 anos de idade, um adolescente apaixonado pela abusadérrima MJ (papel interpretado por Zendaya, que fez mais sucesso como a agente KC, em uma série americana). Peter precisa se dividir entre o desejo de conquistar MJ e a necessidade de salvar o mundo dos monstruosos Elementais e – depois – de um vilão apresentado em um plot twist previsível…

 

 

O filme dirigido, mais uma vez, por Jon Watts mostra um Homem-Aranha que tem potencial para liderar os Vingadores em sua nova fase. E não deixa de prestar uma grande homenagem aos Vingadores que morreram em Ultimato: Homem de Ferro, Viúva Negra e Capitão América (esse último, na verdade, não morreu, mas se aposentou ao optar por voltar no tempo e envelhecer…) Há um encaixe didático entre o começo de ‘Longe de casa’ e ‘Ultimato’.

O longa apresenta um ‘novo herói’: Quentin Beck (mais tarde batizado de Mysterio), interpretado por Jake Gyllenhaal. Mysterio toma para si a responsabilidade de combater e eliminar os Elementais. Preste atenção em tamanha bonomia e aptidão para enfrentar o mal… Você poderá cair da cadeira… Mysterio afirma vir de uma realidade paralela, de um universo que se abriu quando Thanos estalou os dedos… Na falta do Homem de Ferro, Mysterio se torna o mentor do Homem-Aranha. Mas, em algum momento, as máscaras caem…

‘Longe de casa’ é um filme mezzo oitentista e que nos mostra atuações e situações bem caricatas. Preste atenção, inclusive, em personagens secundários mas divertidíssimos, como os professores que coordenam a excursão e o estudante de origem indiana. O filme de Watts não é um primor como filme de ação, mas está longe de ser ruim nesse segmento. Além disso, é bom de diálogos.

Repito: é um dos melhores (senão o melhor!!!) filme do Homem-Aranha. Ao final desse longa há duas cenas pós-créditos. Uma delas deixa claro que as pessoas mais amadas por Peter (MJ e Tia May) passarão a correr sérios riscos… A segunda cena, que aparece depois de intermináveis minutos de créditos, aponta fortemente para o futuro imediato do Homem-Aranha e dos Vingadores. Aponta, inclusive, para uma possível invasão alienígena… Sabe aquele momento em que as máscaras caem…? Pois bem… Tenha paciência e esteja certo de que é importante ficar até o fim… Imperdível!!!

 

*Jamarrí Nogueira escreve sobre arte, cultura e comportamento no Jornal da Paraíba aos domingos


Você sabia que o Jornal da Paraíba está no Facebook, Instagram, Youtube e Twitter? Siga-nos por lá. Encontrou algum erro? Entre em contato.