Cultura


'Tropeiros da Borborema' festeja 35 anos de preservação da cultura

Pioneiro em dança folclórica, grupo se inspirou na formação histórica de CG. 




Divulgação
Divulgação

“A expressão viva do folclore brasileiro”. É assim considerado o Grupo de Cultura Nativa Tropeiros da Borborema, de Campina Grande. Pioneiro na modalidade dança folclórica, o grupo tem se destacado com o seu trabalho sério há 35 anos, na preservação da cultura popular nordestina, mantendo vivas as raízes culturais e resgatando as tradições de nosso povo.  Sua criação inspirou-se na formação histórica de Campina Grande, quando a cidade marcava os seus primeiros passos de desenvolvimento.

Os Tropeiros foram componentes importantes para o progresso e desenvolvimento da cidade Rainha, transportando alimentos, como farinha, feijão, milho e peles de animais, em lombos de mulas e jumentos em caminhadas longas que pareciam não ter fim, enfrentando a chuva e o sol quente dos sertões. Fundado em 05 de maio de 1982, pelos professores Gerson de Oliveira Brito, Josefa de Lourdes Lira Brito e Evandro do Carmo Souza, o grupo tem como objetivo primordial pesquisar, divulgar, preservar emanter vivas as tradições do povo.

Entidade reconhecida de utilidade pública por força das Leis Estadual 6.114, de 26/09/1995, e Municipal 1.645, de 16/12/1987, o grupo constitui-se num patrimônio cultural da Paraíba. O Tropeiros da Borborema já percorreu quase todos os estados brasileiros, com destaque nos principais eventos do país, a exemplo do Festival de Folclore de Olímpia (SP). Por três vezes representou o Brasil em países da Europa, a exemplo da Espanha, França e Portugal, e esteve também na Coreia do Sul.

Em seu currículo, além de títulos internacionais, foi indicado para o Prêmio Mambembe, em 1996, uma espécie de Oscar da Dança, concedido pelo Ministério da Cultura, através da Funarte. Também teve atuação destacada no Filme ‘O Cangaceiro’, de Aníbal Massaini e na minissérie ‘O Auto da Compadecida’, do paraibano Ariano Suassuna.

Festival internacional

Como único representante do Brasil em Festivais Internacionais de Folclore, na França, foi considerado o mais autêntico do mundo, entre 22 países representados.. Na Coréia do Sul, o 'Tropeiros' destacou-se no Word Festival of Jeju Irlands (Festival Mundial das Ilhas de Jeju) e ainda em eventos em Seul e adjacências.

O ‘Tropeiros da Borborema’, que funciona como escola, desenvolve um trabalho de multiplicador, na formação de agentes culturais, inspirando a criação de vários outros grupos de atividades congêneres,
que dão continuidade à preservação e resgate dos valores culturais nordestinos, em especial a dança folclórica, incluindo, também a literatura, a música e teatro.

Destaca-se em seu rico repertório, a dança do Xaxado, bastante divulgada pelos cangaceiros do bando de Lampião. O Xaxado é uma dança originalmente masculina, mas o grupo inovou e introduziu as mulherese na apresentação.