Cultura


Programação reverencia os 51 anos de nascimento de Chico Science

Morto há 20 anos, 'mangue boy' é homenageado com atividades no Recife.




Gil Vicente/EBC
Gil Vicente/EBC
Idealizador do Manguebeat, Science influenciou novos artistas e criou uma nova estética

Um dos ícones da música brasileira dos anos 90, Chico Science completaria 51 anos nesta segunda-feira (13). Morto em um trágico acidente de carro menos de dois meses antes de chegar aos 31, em 1997, o 'mangue boy' é reverenciado com uma série de homenagens no Estado em que nasceu.
 
Nascido em Olinda em 1966, Francisco de Assis França Caldas Brandão tinha uma mente inquieta que produziu não apenas uma obra de sucesso, mas fundou um movimento musical que trouxe renovação para a cultura do país. Com a Nação Zumbi, o Manguebeat criou uma estética inteiramente nova que unia o pop internacional aos ritmos populares de Pernambuco, tendo como pano de fundo a diversidade dos manguezais.

Apesar da morte precoce do seu ídolo mais conhecido, até hoje o 'mangue' serve de inspiração para novos artistas, fomentando uma cena cultural efervescente e identificada com a vida urbana do Nordeste. Para celebrar esse legado, 20 anos após o acidente, várias atividades em tributo a ele estão sendo realizadas no Recife.


Até sexta-feira (17), o Memorial Chico Science, no Pátio de São Pedro, Centro da capital pernambucana, oferece uma programação gratuita para quem quer conhecer melhor a trajetória do mentor do Manguebeat. Nesta segunda (13) e na terça (14), os visitantes podem ver vídeos, entrevistas e documentários sobre Science.

Na quarta (15), o DJ Tiger faz uma discotecagem, 'passeando' pelos estilos que fizeram parte da formação musical do homenageado. Já na quinta (16) e na sexta (17), há conversas com o irmão mais velho de Science, sobre a infância e a juventude do compositor, e com Gilmar Bola 8, ex-percussionista da Nação Zumbi que trabalhou com ele.